Share
“13 Reasons Why” – 2ª Temporada mostra o outro lado da história

“13 Reasons Why” – 2ª Temporada mostra o outro lado da história

Hannah Baker não era uma adolescente normal passando pelos problemas da sua idade. Hannah era uma garota doce e gentil. Que sofreu bulliyng e abuso sexual e que não recebeu o apoio que deveria de seus pais, amigos e até mesmo da escola. Hannah não aguentou a pressão de todo esse peso e se matou. A primeira temporada de 13 Reasons Why nos mostra porque Hannah chegou à essa terrível decisão. Mas e se essa não for toda a história?

ATENÇÃO

Antes de tudo, é importante ressaltar que a série possui muitos gatilhos para quem já sofreu abuso sexual, físico e mental. Várias cenas são fortes e explícitas. Por isso não é recomendado que se você sofreu qualquer um desses traumas, assista a série. Mas é importante, ao mesmo tempo, que esses assuntos tão polêmicos sejam debatidos na roda de amigos, nas escolas e na comunidade. Que o assunto seja tratado e abordado com responsabilidade e seriedade pela sociedade.

O OUTRO LADO

A segunda temporada da série, que para muitos era desnecessária, traz a continuação da história e dos fatos após o suicídio de Hannah. Muitos ganchos foram deixados inclusive sobre a própria história da menina. Afinal, nós ouvimos apenas o seu lado dos acontecimentos. Havia mais a ser explorado. Em busca de uma explicação para o que aconteceu à sua filha, os pais de Hannah vão buscar por justiça. Procurando nos tribunais culpar a escola, que não tomou nenhuma providência mesmo quando a aluna procurou por ajuda.

Vários alunos são chamados para depor. Com isso vamos descobrindo mais nuances da personalidade de Hannah. Sobre o seu passado e como algumas coisas de fato ocorreram. Coisas essas que não conseguimos saber por completo uma vez que só víamos um lado da história. Ou seja, o contato pela própria estudante em suas fitas. Além disso, podemos ver melhor como as fitas e o suicídio de Hannah afetaram a comunidade e a todos os envolvidos, direta ou indiretamente. Mostrando que no rastro do suicida ficam muitas pessoas que também precisam de ajuda e orientação.

Um dos artifícios mais controversos usados pelos roteiristas talvez tenha sido o “fantasma” de Hannah. Ela acompanha Clay ao longo de toda a temporada. Enquanto na primeira temporada vemos o garoto dialogando consigo mesmo através das fitas, aqui a sua consciência toma a forma da própria Hannah. Que nunca oferece respostas, mas sempre abre novos questionamentos para que o próprio encontre as suas respostas.

TEMA COMPLICADO

Outro ponto fortemente abordado nessa nova temporada foi o abuso sexual. A dificuldade que as vítimas tem para denunciar os abusos que sofreram, mesmo sabendo ser o correto. O que nos aponta um reflexo triste da realidade em que vivemos, onde muitas vezes a vítima é culpabilizada e nada acontece ao agressor.

Claro que a série está longe de ser perfeita e traz questões muito problemáticas que são postas de forma incorreta. Tal qual cenas explícitas de suicídio (que são contra as recomendações da Organização Mundial de Saúde, a OMS), abuso sexual e o uso de drogas.

Cabe ressaltar essa irresponsabilidade dos autores e roteiristas. De mostrar de forma tão clara e até didática o modus operandi de certas atitudes como forma de chocar o telespectador. O efeito com certeza é alcançado: o embrulho no estômago (no mínimo) é certo em determinadas cenas.

DURA REALIDADE

Mas acima de tudo, na sua continuação, a série traz uma dose de (infelizmente) realidade que incomoda e muito o espectador. No decorrer dos depoimentos, vemos que Hannah não era uma menina perfeita. Algo que a defesa da escola tenta argumentar todo o tempo. Como se esse fato, de alguma maneira, pudesse tornar ilegítimas todas as situações pelas quais a menina passou. Vemos a cruel tática de culpabilização da vítima. Um feito o qual presenciamos todos os dias em nossas conversas informais. Ou mesmo lemos em comentários soltos pela internet.

Se você se sentiu incomodado ao ver o abuso sofrido por Hannah ser diminuído pelos seus atos passados e por quem ela é, ou se você em algum momento se questionou “ela também não era flor que se cheire!”, a série está em parte cumprindo seu papel de levantar esse questionamento: conhecer quem Hannah realmente era muda alguma coisa a gravidade das ações feitas contra ela?

13 Reasons Why continua sendo uma série forte. Com cenas igualmente pesadas e temas polêmicos que devem ser trazidos à tona. Mas acima de tudo, também pode nos ensinar que cada pessoa é uma pessoa. Que cada indivíduo trata, sente e processa seus sentimentos de uma forma diferente e única. Não cabe à ninguém julgar como o outro se sente ou deixa de sentir. Portanto, se a série te causa algum tipo de desconforto que te impeça de seguir em frente, busque ajuda e conselhos. Não sofra sozinho. Acredito que essa seja a principal meta de 13 Reasons Why, tenha você conseguido assisti-la até o final ou não.

Ficha Técnica
Criador: Brian Yorkey 
Diretor: Kyle Patrick Alvarez, Gregg Araki, Jessica Yu, Carl Franklin, Tom McCarthy, Helen Shaver, Kat Candler, Eliza Hittman, Karen Moncrieff, Michael Morris
Elenco: Dylan Minnette, Katherine Langford, Christian Navarro, Alisha Boe, Brandon Flynn, Justin Prentice, Miles Heizer, Ross Butler, Devin Druid, Amy Hargreaves, Derek Luke, Kate Walsh, Timothy Granaderos, Josh Hamilton, Ajiona Alexus, Michele Selene Ang, Tommy Dorfman, Steven Silver, Brian d'Arcy James, Wilson Cruz, Joseph C. Phillips, Steven Amber
Duração: 10 episódios