Share
A evolução do Rap e Hip Hop

A evolução do Rap e Hip Hop

Em 11 de Agosto de 1973 nascia o Hip Hop em uma festa de aniversário no Bronx comandada pelo DJ Kool Herc. Pela primeira vez na história alguém se apresentava na frente de uma grupo considerável de pessoas controlando a música e as entretendo, ainda que o nome em si só tenha aparecido um ano depois dado por Lovebug Starski. Talvez por isso a Netflix tenha decidido lançar a série The Get Down em 12 de Agosto, mas isso é assunto para outro post.

Ao todo são 43 anos desde essa festa em 1973 e de lá para cá o rap e o hip hop se tornaram muito mais do que apenas música, ficando conhecidos como verdadeiros movimentos sociais. É graças a ambos os gêneros que as pessoas que moravam em partes pobres nos Estados Unidos conseguiram ter uma voz e fazer com que  notassem seus problemas diários ao cantar ou versar sobre eles. Ainda que alguns considerem como estilos marginalizados, estão mais do que incrustados na cultura americana e conquistaram merecidamente um lugar de destaque. Embora tenha demorado a acontecer.

kool
O próprio DJ Kool Herc.

Basta que um faça uma coisa boa para que outros sigam aprimorando a técnica. Foi assim quando DJ Kool Herc discotecou na festa da irmã para outros nomes como Grandmaster Caz, Grandmaster Flash (capa do post) e Afrika Bambaataa surgirem logo depois. O Bronx começava a ficar pequeno para tanto talento. No entanto, eles eram responsáveis apenas pela música ao usar deck duplo para mixar os discos e assim sobrepor as canções, mas quem cantava? Novamente, DJ Kool Herc foi o pioneiro ao se unir com Coke La Rock e Clark Kent os primeiros Mestres de Cerimônia ou MCs a começar o movimento.

O Rap surge três anos depois com o grupo The Furious Five formado pelo Grandmaster Flash (Joseph Saddler), Melle Mel (Melvin Glover), Kidd Creole (Nathaniel Glover), Cowboy (Keith Wiggins), Raheim (Guy Williams), e Mr. Ness (Eddie Morris) e tornam-se um dos grupos mais influentes.

A década de 80 marcou bastante o início do que podemos chamar da popularização do rap e hip hop. Foi a primeira vez que um rapper, o Kurtis Blow, apareceu num programa de televisão e o gênero musical se misturava ao rock com a banda Aerosmith. Walk This Way marcou o mundo da música, ainda que especialistas digam que beneficiou muito mais Steven Tyler e companhia do que a dupla Run DMC e, tenha sido eles a propor a parceria. A visibilidade passa a dar origem a bandas como os Beastie Boys e os LP’s conseguem captar sons que antes eram impossíveis de gravar. Surgem nomes como Ice T, Public Enemy, N.W.A e com eles o gangsta rap, um estilo mais invocado de versar que é usado para descrever, muitas vezes, o cotidiano violento no qual eles cresceram e continuam inseridos. O battle rap torna-se bastante popular e continua sendo hoje em dia.

Com o sucesso do primeiro álbum do N.W.A, outros artistas seguiram o mesmo caminho e o início da década de 90 foi marcado com nomes que fariam muito barulho como Busta Rhymes, Wu-Tang Clan, Cypress Hill, Mobb Deep, Nas, Jay-Z, 2Pac e Notorious B.I.G., esses dois últimos são famosos até hoje. Enquanto BIG estava debaixo das asas de Puffy Daddy Combs, o P.Diddy, 2Pac era protegido do que viria a se transformar em um famoso produtor e caçador de talentos, o Dr. Dre. Estava estabelecida a guerra entre East Coast e West Coast, o que influenciou diretamente na criação de diversos outros artistas como também no estilo musical de cada um deles. A rixa acabou levando ao assassinato de 2Pac e BIG com meses de diferença e até hoje nenhum dos dois casos foi solucionado.

A banda Fugees composta por Wyclef Jean, Lauryn Hill e o rapper Pras Michel lança o album The Score que mistura elementos do hip hop, reggae e soul e traz notoriedade para o gênero abocanhando dois Grammys em 1996. Lauryn Hill depois lançaria um álbum solo e com isso conquistaria cinco prêmios Grammy. Outra mulher que também ganhou destaque foi a Missy Elliot que redefine a mistura do hip hop com R&B em seu album Supa Dupa Fly e acaba tornando-se a maior rapper feminina de todos os tempos.

Dr.Dre não desiste de procurar novos talentos e encontra o Marshal Matters, conhecido também como Eminem. O artista enfrentaria preconceito no meio por ser branco e muita vezes foi chamado de Vanilla Ice. Eminem lança seu primeiro álbum, The Slim Shady LP, que vende 4 milhões de cópias.

O rapper Nas com Illmatic consegue o disco de ouro e até hoje é considerado um dos melhores disco de rap já lançados. Jay-Z entra em cena como sendo o rapper “carismático” e impressiona com o disco Reasonable Doubt e cria um estilo que viria a ser copiado por muitos outros artistas. Os dois rappers criam uma rixa que divide opiniões, mas vamos deixar para a próxima década.

E chegamos ao novo milênio com o aparecimento do MP3 e muitos processos por conta disso. Logo após o 11 de Setembro, Nas e Jay-Z começam uma batalha pública onde se enfrentam através das músicas que lançam. O rapper Jay-z lança o disco The Blueprint onde ataca não apenas Nas, mas também Prodigy e o Mobb Deep. Nas responde em Stillmatic e uma votação é aberta ao público por uma rádio que consagra Nas como o vencedor. Jay-Z corre e tenta se desculpar, mas é em vão. Assim, é dada a largada para as batalhas vocais no mundo do hip hop.

Uma nova leva de artistas passam a acrescentar seu próprio estilo ao hip hop é são estouros da década como Nelly, 50 Cent, Lil Wayne, Outkast, T.I, Kanye West, Kendrick Lamar, Ludacris, Eve, Lil Mama, Black Eyed Peas,T.I. entre outros. É a década que o gênero tem maior ascensão e reconhecimento por parte de outros artistas e até mesmo do Congresso americano. Muitos rappers fazem colaborações em seus albums e o hip hop e rap deixam de ser considerados um gênero musical marginalizado para cair no gosto do público e ser aceito como movimento social.

Pharrell Williams que fazia parte do duo The Neptunes passa a colaborar como produtor nos discos de outros artistas e entra para o hall da fama de produtor queridinho dos mais diferentes cantores, cantoras e bandas.

Em pleno 2016 temos quase os mesmo artistas que começaram a fazer sucesso lá em 2000. Alguns mudaram de carreira e viraram atores como Ice T, Ice Cube e Ludacris e largaram de vez o mundo musical. Contudo, o rap e hip hop que fez sucesso lá na década de 70 se transformou por completo e passou a ser um estilo musical muito mais comercial. O que foi criado para escancarar problemas com a polícia, racismo, diferenças de classe e até mesmo religião, agora não passa de canções dançantes, com  letras de pouco ou nenhum conteúdo relevante. Nós ouvimos, consumimos, porém, não é e nem vai ser a mesma coisa.