Share
“A Morte Te Dá Parabéns” diverte ao misturar dois gêneros clássicos do cinema

“A Morte Te Dá Parabéns” diverte ao misturar dois gêneros clássicos do cinema

Quem nunca pensou em voltar no tempo e mudar algumas coisas? A premissa acabou se tornando um gênero clássico do cinema. Em especial por conta do filme Feitiço do Tempo com Bill Murray. De lá para cá tivemos outros títulos que abusam do gênero. Só que nenhum misturou com slasher como A Morte Te Dá Parabéns fez.

O longa de Christopher Landon e Scott Lobdell levou algum tempo para ser finalizado (algo em torno de 10 anos) e traz aquela atmosfera adolescente que muito permeou os filmes do gênero slasher que ficaram populares no final da década de 90. Pânico, Eu Sei O Que Vocês Fizeram no Verão Passado, Sexta-Feira 13 entre outros.

Agora, imagina uma mistura entre esses dois gêneros onde você pode voltar no tempo e impedir o próprio assassinato? É o que tenta Tree a protagonista de A Morte Tá De Parabéns. E de uma maneira bem divertida.

A universitária acorda no dia do seu aniversário no quarto de um estranho. Sai meio de ressaca pelo campus até chegar na casa da sua irmandade. Sem saber o que o destino lhe planeja ela segue com o dia. Vai atrasada para aula, trata mal a colega de quarto, pratica bullying com outra ‘irmã’, paquera o professor e se arruma para uma festa. Só que ela é morta antes de chegar lá e acorda de novo no quarto do estranho. O menino se chama Carter (Israel Broussard) e ela tem certeza que estava sonhando. Até reviver o mesmo dia inteiro de novo. E de novo. E de novo. E morrer todas as vezes.

Qual seria o sentido de repetir o mesmo dia e não tentar fazer as coisas diferentes? É aí que Tree (Jessica Rothe) passa a agir diferente depois de se abrir com Carter. Decide então que vai investigar e descobrir quem quer lhe matar a fim de impedir que aconteça. Infelizmente, ela não é lá uma boa detetive e morre inúmeras vezes até achar o caminho certo. O que rende ao espectador uma ótima experiência no cinema.

Landon não quis inventar nada diferente e apenas acrescentou um pouco de humor a uma velha fórmula, resultando em um filme divertido, simples e que cumpre seu papel. A princípio a protagonista não é alguém que a gente queira como amiga. Porém, aos poucos, conforme vai morrendo, descobre que dá para melhorar como pessoa e isso resulta numa atuação honesta de Jessica Rothe e que capta a nossa atenção. A atriz não é muito conhecida do público, tendo feito pontas em outros filmes como La La Land: Cantando Estações, por exemplo.

E isso é de certa maneira um trunfo de A Morte Te Dá Parabéns. O anonimato dos atores acaba dando mais credibilidade em suas atuações e não prende o espectador em apenas uma figura. Cobrando mais por conhecer o trabalho prévio do artista. Deixando-o assim mais a vontade na sala de cinema para aproveitar o longa sem precisar analisar muito o que está assistindo.

O desfecho é um tanto previsível, todavia, não exatamente o que o espectador esperaria de um filme do gênero. Portanto, A Morte Te Dá Parabéns vai surpreender e, principalmente, entreter o público. E não é o que todos querem? Diversão? Aqui está garantido.