Share
“Desaparecida” merece atenção, apesar das falhas

“Desaparecida” merece atenção, apesar das falhas

Desaparecida é um filme dramático de origem argentina, baseado no romance da jornalista local Florence Etcheves, Cornélia. A trama trata do desaparecimento de uma adolescente, numa viagem com as amigas, e a ânsia pela busca de sua amiga – agora inspetora policial – a descobrir o que tivera acontecido na viagem, que causou o desaparecimento de Cornélia.

Não sei se pode ser um padrão argentino de produção, mas diferente do modelo hollywoodiano – do qual estamos acostumados -, o diretor se perde em desenvolver o assunto tratado, explicando bem superficialmente como se origina o assunto abordado. É levemente complicado compreender que o filme trata do assunto sobre o tráfico de mulheres, já que esse não é o enfoque central da trama, como deveria ser.

Mesmo sendo um drama, trata-se de uma investigação policial, ou seja, há presença de elementos do gênero mistério. Os elementos que dão finalização ao segredo final, não são tomados de atenção pelo diretor do filme, causando assim uma perda de percepção ao espectador que o fará não compreender o final e precisar assistir tudo novamente. Se quiser.

O diretor de Desaparecida deixa passar diversos detalhes que são necessários para o mistério e a investigação se desenrolarem. Como a presença de uma criança que vem a ter um papel importante para o desfecho do mistério que envolve a adolescente desaparecida. Além de alguns hábitos dos personagens que mereciam atenção, pois foram de extrema importância para a descoberta do crime. E uma revelação para a reviravolta final te deixa ainda mais confuso com a trama. O que nos faz questionar coisas que o filme não irá responder. Sem contar que a revelação acaba não sendo cabível ao assunto tratado, deixando a realidade um pouco fantasiosa demais.

Embora seja um assunto sério a ser tratado – o tráfico de mulheres – o principal enfoque em Desaparecida não é bem esse, e sim o desespero por respostas de uma tragédia vivida pela protagonista.

O papel da protagonista cabe a atriz Luisana Lopilato, conhecida por muitos papéis em novelas argentinas. Luisana mereceu o destaque por desempenhar muito bem o sofrimento de sua personagem, que foi bem explorado pelo diretor. E se não fosse o erro do mesmo em relação ao enredo do filme não ser contextualizado, tudo se encaixaria na mais perfeita sintonia. Alem disso, o elenco conta com muitos outros nomes conhecidos das novelas do canal Televisa e do grupo Cris Morena, responsável por novelas como Rebelde e Chiquititas.

Vale a pena assistir o filme por conta do assunto em segundo plano, pois o tráfico de mulheres é algo que realmente merece atenção. Mas é necessário bastante atenção para não perder nenhum detalhe, desde os bilhetes fúnebres deixados no jornal, até as revelações finais.

Ficha Técnica
Diretor: Alejandro Montiel 
Roteiro: Jorge Maestro, Alejandro Montiel, Mili Roque Piti
Elenco: Mara Alberto, Carlos Alcantára, Juan Ignacio Cane, Pedro Casablanc, Carlos del Rio, Nicolás Furtado, Marina Garré, Marta Haller, Micaela Kastan, Laura Laprida, Luisiana Lopilato, Miguel Angel Maciel, Mora Magnarelli, Arancha Martí, Mariana Mastracchio
Duração: 1h43min