Share
“Em Busca de Vingança” traz Schwarzenegger em drama familiar

“Em Busca de Vingança” traz Schwarzenegger em drama familiar

Tem atores que nos marcam por papéis inesquecíveis ou pelo conjunto de suas obras. Alguns são realmente muito bons, outros temos aqueles guilt pleasure ou simplesmente nostalgia mesmo.

Ver Arnold Schwarzenegger atuando em filmes ainda hoje é uma mistura de tudo isso.

É impossível não ver aquela carinha de senhorzinho que compra pão todo domingo no mesmo horário, na mesma padaria do seu bairro e não lembrar daquele Conan ou do Exterminador do Futuro, e não aquecer nossos corações por alguns momentos.

Schwarzenegger é um bom ator. E é completamente capaz de nos entregar sentimentos em filmes de drama convincentes e emocionantes. O problema é quando a trama é arrastada demais e tudo parece muito forçado. Assim, nem bons atores conseguem salvar um roteiro.

Em Busca de Vingança, como foi nomeado por aqui o filme Aftermatch do diretor Elliot Lester, é um drama inspirado numa história real, onde por um erro humano, dois aviões colidem em pleno ar.

O filme é dividido em duas perspectivas: Jake (Scoot McNairy), o operador da torre de controle que estava em serviço quando o incidente aconteceu. Também vemos a história sobre a perspectiva de Roman (Arnold Schwarzenegger), o homem que perdeu sua esposa e sua filha que estava grávida no acidente.

Em Busca de Vingança tenta nos conectar a rotina dos dois homens depois do ocorrido, mas a lentidão das cenas e a forma em que foram produzidas para que te emocionem, são tão forçadamente exploradas, que acaba nos deixando entediados. Talvez tenha sido a escolha errada do diretor de deixar duas viradas do filme para o terceiro ato. O que prejudica e muita os dois arcos iniciais do filme, que são lentos e arrastados.

Não vou negar que ao ouvir o nome Em Busca de Vingança, com Schwarzenegger, pensei que seria um filme com mais ação e explosões… Esse é o grande problema quando atores são vinculados por tempo demais em um único gênero. Mas o ator se prova digno no papel e se entrega de forma convincente.

Como um todo o filme não é ruim. Pelo contrário. É um filme que entrega o prometido. Que fala sobre pessoas comuns que são levadas a destinos que nunca teriam imaginado para si mesmos. Para quem gosta de títulos com essa vertente mais real, baseada em fatos e com tramas mais trágicas e pessoais é uma ótima escolha para esse mês de novembro nas telonas.