Share
Especial MCU 10 Anos: “Homem de Ferro 3”

Especial MCU 10 Anos: “Homem de Ferro 3”

Hora de começar a Fase 2 com Homem de Ferro 3. Um filme que é bastante controverso e dividiu a opinião do público na época do lançamento.

Com eventos que seguem logo após o ataque a Nova York, tudo mudou na vida de Tony (Robert Downey Jr.). Mais uma vez. Ele tem se dedicado noite e dia, sem dormir, a projetos de traje e se distanciou por completo da sua vida social. É Pepper (Gwyneth Paltrow) quem gere a empresa e Happy (Jon Favreau) não é mais seu segurança. Até sair de casa é um problema. Não consegue se desvencilhar do traje. Na verdade, para Tony, viraram uma coisa só. O que acaba lhe rendendo alguns ataques de ansiedade. E é mais ou menos dentro dessa premissa de homem e máquina que o filme se baseia.

Onde começa o Tony Stark e onde termina o Homem de Ferro? Ou o contrário? Se antes a dependência caía sob sua figura, seu status e quem era. Agora, reside inteiramente em seu alter ego. As linhas se misturaram e ele mesmo não distingue mais entre um e outro. Fala até em “nós” em alguns momentos de Homem de Ferro 3.

E esse sempre foi o problema do personagem. O monstro é ele mesmo. Desde o início. Algo que mencionei na crítica do longa anterior a esse. Por isso não tem porquê o vilão ser de fato um nome de peso como Loki (Tom Hiddleston) ou um exército Chitauri. A construção do universo da trilogia do Homem de Ferro recai em cima de seu personagem. E na maneira que ele precisa aprender a lidar com si mesmo, antes de lidar com terceiros. Nessa linha, os vilões dos três filmes seguem um padrão bem simples de identificar. Vem sempre em duplas e aquele que pensamos ser o malvado, não o é. Na verdade, tem alguém por trás que mexe os pauzinhos. Que arquiteta tudo a fim de atingir o Tony.

OS NÃO VILÕES

Em Homem de Ferro temos o Raza. Ele sequestra o Tony, o faz trabalhar em algo para ele e no fim ele constrói o protótipo do traje. Porém, Raza era apenas um assecla de Obadiah. Ele queria o poder de comando das Indústrias Stark. O que dificultou bastante depois que Tony retorna e decide encerrar os projetos de armamentos.

Já em Homem de Ferro 2 nós temos uma cópia barata de Stark na forma de Justin Hammer. Talvez seja essa a rendição de Rockwell para o personagem. No fim ele também é manipulado por Ivan Vanko, que rouba os seus projetos e os uso em benefício próprio.

Curiosidade: Sam Rockwell foi cotado para viver o papel antes dele ir para Robert Downey Jr.

E, agora em Homem de Ferro 3, temos um trio e não uma dupla. Onde dois deles foram igualmente menosprezados por Tony no passado. Ou seja, monstros criados por ele. Maya Hansen a botânica e ex-caso e Aldrich Killian o cientista. O terceiro entrou de gaiato nessa história.

Durante boa parte do filme não fazemos ideia da real intenção do vilão que se chama Mandarim. Nos quadrinhos ele é bem famoso e por isso o nome causou certo alvoroço. Será que finalmente o Homem de Ferro ganharia um oponente a sua altura? Bem… A resposta para isso é não. Como explicado acima, Mandarim nada mais era do que um peão nas mãos de Aldrich, o verdadeiro vilão. Viram o padrão se repetindo?

Homem de Ferro 3, o último filme solo do personagem que abriu as portas desse universo, é centrado nele e apenas nele. Tal qual os outros. Em como precisa aprender a lidar com a sua obsessão em ser o Homem de Ferro e no que isso impacta na sua vida pessoal. Desde o início vemos que Tony é um personagem forte, mas que requer amadurecimento. Precisa entender que a sua posição agora é diferente e que envolve outras pessoas. Ora essa, envolve todo o mundo. E isso não é algo que ele esteja acostumado. A pensar nas outras pessoas. Nunca precisou. Por mais que suas intenções sejam as melhores, ainda tem dificuldades em enxergar o todo. É difícil sair do próprio casulo. Mudar como pessoa. Suas exatas palavras no final.

Ficha Técnica
Diretor: Shane Black
Roteiro: Drew Pearce, Shane Black 
Elenco: Robert Downey Jr., Gwyneth Paltrow, Jon Favreau, Don Cheadle, Guy Pearce, Rebecca Hall, Ben Kingsley, James Badge Dale, Stephanie Szostak, Paul Bettany, William Sadler, Dale Dickey, Ty Simpkins, Miguel Ferrer, Xueqi Wang
Duração: 2h10min 
Estreia: 26 de abril de 2013