Share
Especial MCU 10 Anos: “Thor”

Especial MCU 10 Anos: “Thor”

A princípio achei que Thor seria o título mais difícil de analisar. Por conta do falatório negativo envolvendo o filme todos esse anos. Mas na verdade foi o contrário. O filme é bom.

Thor é um daqueles personagens difíceis de transpor para a tela porque possui características muito específicas nos quadrinhos. Aqui no filme de Kenneth Branagh permanece com alguns traços inerentes a sua cerne, mas sofreu uma leve modificação para se adequar melhor a proposta. O primogênito de Odin é orgulhoso e arrogante desde criança. Não quer analisar o futuro, gosta de lutas e testes de força. Quer sempre provar que é um grande guerreiro, só que é preciso mais do que isso para reinar Asgard.

E quando chega seu momento de tomar o lugar do pai, o reino é invadido por inimigos do passado: Gigantes de Gelo. Que estão em busca de uma arma poderosa guardada nos cofres de Asgard, o tessaract. Algo que nós viríamos a conhecer dois filmes depois como a primeira joia do infinito e que atrai Loki (Tom Hiddleston) de imediato. Os gigantes são derrotados, tudo volta ao normal, menos a fúria de Thor (Chris Hemsworth). Inflamado por ter sua coroação destruída, parte para Jotunhein contra as ordens de Odin (Anthony Hopkins) e alimentado pelas palavras de Loki que busca outras respostas.

A luta não vai tão bem e Thor, Loki e demais guerreiros acabam sendo resgatados por Odin. O soberano está decepcionado com o filho e ambos trocam farpas. Odin talvez veja muito de si no filho e deseja que ele seja alguém melhor se quiser mesmo reinar Asgard. Por isso, e também pela traição, o exila na Terra e lhe tira os poderes. Algo que surpreende e agrada Loki ao mesmo tempo. Mas o castigo acaba sendo um fardo muito grande para o Rei que cai num sono profundo. Não sem antes revelar a Loki a verdade sobre ele.

Depois disso os dois primeiros arcos evoluem muito bem. Temos a apresentação do núcleo da Terra com Jane Foster (Natalie Portman), Dr. Erik Selvig (Stellan Skarsgard) e Darcy (Kat Dennings), além da S.H.I.E.L.D. mostrando serviço. Jane e Selvig estão investigando um fenômeno que está correlacionado ao Thor e acabam esbarrando nele. O asgardiano se comporta como o esperado, com maneiras brutas e mesmo assim consegue conquistar seus novos amigos. Já a S.H.I.E.L.D. mostra a que veio, com todo aquele equipamento e campo de contenção em volta de Mjolnir que cai na Terra logo após Thor, concluindo assim a linha narrativa criada lá em Homem de Ferro 2. Ah, tem também o surgimento do Gavião Arqueiro (Jeremy Renner).

O tempo que passa entre os humanos e o fato de não mais conseguir empunhar o Mjolnir – correu, lutou e não triunfou – faz com que Thor perceba o propósito do pai. Em especial depois de ouvir do irmão que ele havia falecido. Nada como a perda de alguém para nos fazer mudar. E rápido. A partir daí deixa o passado para trás e tentar viver em meio a Jane, Selvig e Darcy ajudando-os como possível. O romance entre os dois é compreensível, dado uma atração mútua, mas ainda assim é um tanto superficial. É quando o terceiro arco começa e as coisas complicam.

De cara vemos que Loki é um personagem que conseguiu evoluir de forma gradativa e sagaz ao longo de todo o filme. Desde sua primeira cena com Odin e Thor era possível perceber que algo não ia bem. Ao passo que seguia o irmão, até sua derrocada, as suas intenções se tornam mais claras. Nem mesmo a surpresa pelo toque do gigante chega a assustar. Está mais para um resposta. Sabia o que iria acontecer. E logo aprendemos que Loki faz o que Loki quer. Nesse ponto temos um personagem bem mais elaborado do que o próprio Thor. Que é mais simplista. Loki tem problemas com o pai, não acha que pertence a Asgard, também não acha que o aceitam, quando na verdade, o conflito dele é com ele mesmo. Quer ser o Thor porque todos o adoram e idolatram. Enquanto ele fica de lado. Portanto, sentar no trono e comandar Asgard mudaria tudo isso.

Até aí os pontos a resolver são nítidos. Só que tudo se desenrola rápido demais. Os guerreiros vão até Thor chamando a atenção de Loki que envia o Destroyer atrás deles. Já tinha aceitado seu destino como humano quando Sif (Jaime Alexander) lhe diz que Odin não morreu. Num ímpeto que nunca teve antes, causado pelo tempo que passou com Jane, ajuda a retirar todos da cidade. A luta contra o Destroyer não sai como o esperado e Thor faz um acordo com o irmão. Seu sacrifício pelo bem de todos. É então que Loki age exatamente como Odin queria. Que Thor pensasse nos outros antes de pensar nele. O não-mais-Deus se sacrifica, tira lágrimas de Jane, e volta a ser digno de empunhar o Mjolnir.

Depois disso o desfecho é previsível. Mais gigantes de gelo em Asgard, Loki matando Laufey (Colm Feore), Thor e Loki brigando e o meio-irmão despejando anos e mais anos de lamentações. Bifrost é destruída e de novo Odin vem ao resgate dos filhos. Loki cai no abismo, mas sem corpo, não tem morte. Com isso nada de reencontro com Jane. Na verdade, todos em Asgard vão ficar de castigo por algum tempo.

Lá na Terra, Jane e Selvig continuam procurando por Thor já que a Bifrost é a essencial para a sua pesquisa. Enquanto a S.H.I.E.L.D. sai de campo com um novo aliado. E vai precisar já que estão em posse do tessaract (que deve ter caído na Terra no momento que Thor quebra a Bifrost) e é onde Loki também está. Do lado do Selvig, deixando clara a nova ponte para Os Vingadores.

Conclusão

Thor está longe de ser um filme horrível, como muitos gostam de apontar. Possui muitos problemas de evolução narrativa, em especial no terceiro arco. Todavia, a construção dos personagens, incluindo o próprio Thor (tirando os guerreiros de Asgard), é bem feita dentro da proposta. Fora que introduz alguns nomes importantes para o restante do universo de filmes. Então, não, não é o pior filme de todo o universo cinematográfico da Marvel. Arrisco que é o mais incompreendido. Mas tem seu valor como filme de origem.

Ficha Técnica
Diretor: Kenneth Branagh
Roteiro: Ashley Miller, Zack Stentz e Don Payne
Elenco: Chris Hemsworth, Tom Hiddleston, Anthony Hopkins, Rene Russo, Natalie Portman, Stellan Skarsgard, Kat Dennings, Clark Gregg, Colm Feore, Idris Elba, Ray Stevenson, Tadanobu Asano, Josh Dallas, Jaimie Alexander, Maximiliano Hernández, Jeremy Renner 
Duração: 1h55min