Share
Gameplay: Hogwarts Mystery – Ano 2

Gameplay: Hogwarts Mystery – Ano 2

É fato que Harry Potter: Hogwarts Mystery não teve um início promissor. Porém, como boa potterhead que sou, segui em frente e consegui terminar o meu Ano 2.

Muitos que começaram a jogar, deixaram de lado bem rápido devido a diversos fatores. Sendo o principal deles, a maneira que as energias eram gastas. Logo de cara o nosso personagem era pego por um devil’s snare e a tarefa inteira precisava de 8h para ser concluída. O que levou muitos a desistir e outros a gastar dinheiro com o jogo.

Não vou julgar que tudo o que era preciso ter era paciência. Até porque existem outros fatores envolvidos aqui. Porém, o que dá a entender é que todo o Ano 1 do game foi a parte beta liberada inicialmente apenas para o Reino Unido. Por isso tantos delays e bugs que foram reportados. Como também a demora em concluir as tarefas e side quests. O que melhora a partir do Ano 2. A mudança é notável desde o instante em que Dumbledore dá início a mais um ano letivo.

MAIS UM ANO

Se você sobreviveu ao martírio que foi o Ano 1 e aprender tantas coisas, meus parabéns, você é um verdadeiro potterhead.

A boa notícia é que a partir desse ano você vai fazer novos amigos, aprender muitos feitiços e poções e a Merula vai pegar bem menos no seu pé. Dito isso, tem alas novas para explorar também como a Enfermaria (volto nisso depois) e aulas de Transfiguração com a Minerva, que para mim foram o ponto alto. Afinal, é a minha personagem favorita.

Ah! Também deve ter ganho a Taça das Casas já que Dumbledore te salvou como fazia com o Harry. Então, parabéns mais uma vez. Se bem que isso não é tanto mérito seu. Acho.

Se você estiver interesse em aprender bastante, vai despertar a atenção tanto da Professora Minerva quanto da Madame Pomfrey, lhe rendendo boas side quests. E a história principal vai se desenrolar bem.

NOVOS AMIGOS

Lá no Ano 1 tínhamos Rowan e Ben. A primeira é nossa fusão de Hermione e Ron, por assim dizer, e Ben pode-se encarar como um Neville mais medroso. É um personagem bem chato para falar a verdade. Mas presumo que é nossa função ter que lidar com isso.

Ele sumiu durante o início do Ano 2 e temos que procurá-lo. Sabemos que está em Hogwarts porque foi visto no trem, mas ninguém mais sabe do seu paradeiro. O que vai nos aproximar mais de Penny Haywood, a garota popular da Lufa-Lufa, uma versão de Cedrico Diggory talvez.

Outro personagem novo que também aparece durante o Ano 2 é o Bill Weasley ou Gui se você estiver jogando em português. Ele é o mais velho dos filhos da senhora Weasley e foi bom ver uma cor de cabelo familiar na escola. Ele está no Ano 4 e Charlie está no mesmo ano que você, mas na Grifinória. Creio que mesmo que essa tenha sido sua escolha para casa, não vão se encontrar.

Hagrid também vai passar a fazer parte das side quests, bem extensas, sendo necessário que você tenha feito amizade primeiro com essas pessoas antes de aceitá-las. É recomendável também que você termine suas aulas antes de aceitar qualquer pedido dele, pois para responder as perguntas tem que ter níveis altos de carisma. E não queremos deixar o Hagrid chateado.

DESAPARECIDO

Se este jogo fosse ter um nome como nos livros, certamente iria se chamar “… e o mistério dos cofres amaldiçoados”. Nós o estamos procurando para saber mais sobre o paradeiro do nosso irmão, enquanto Merula quer pelos boatos de riqueza infinita. E a gente entende isso melhor quando aprendemos que ambos os pais dela estão em Azkaban. A razão é outro mistério.

De cara precisamos descobrir o paradeiro do Ben antes de nos aventurarmos em outras áreas. Fazemos muitas perguntas, mas ninguém sabe aonde ele foi parar. Após conversarmos com Penny aparece a opção de pedir a ajuda da McGonagall ou da Monitora da Grifinória. Escolhi falar diretamente com a McGonagall, porque como disse, é a minha personagem favorita e também porque sempre a achei confiável. Outro ponto é que como sou Corvinal, creio que não iria desobedecer tanto os professores quanto em outras casas, logo, estou dentro da personagem.

Fazemos muitas perguntas, mas nenhuma informação concreta de onde o Ben está, além de mais pistas. Procuramos em alguns lugares, o que inclui até a sala comunal da Grifinória. Eventualmente, vamos com a Penny no corredor e encontramos Snape, McGonagall e o Ben lá congelado. Os professores o liberam e o levam para a Enfermaria. O garoto não se lembra de nada e tem medo (novidade) de lembrar de qualquer coisa.

O GRANDE MISTÉRIO

Grande parte do Ano 2 gira em torno de decifrarmos o enigma lá que fala das portas e do Cavaleiro de Gelo. Para isso vamos precisar da ajuda de Bill, Penny e Ben, já que Rowan desiste depois de ter sido congelada também.

Para tal é necessário finalizar todas as aulas primeiro, a fim de termos pontos de carisma, coragem e sabedoria o suficiente para selecionarmos algumas opções de resposta.

Também seremos obrigados a trocar de roupa. Sabe como é, todo aquele frio, congelando nossos amigos, não queremos ser os próximos. Até porque, mais uma vez nossos trajes vão ser prejudicados. E não, não seremos os únicos a trocar de roupa. Qualquer roupa que escolher só vai aparecer em certos momentos. Quando estamos em aula, voltamos a usar os trajes habituais de bruxo.

Graças a ajuda de nossos novos amigos e após inúmeras tentativas, finalmente chegamos ao tal mistério do Cavaleiro de Gelo e é uma armadura a qual temos que derrotar num duelo. A tática aqui é usar defesa pelo menos três vezes antes de tentar atacar. Os golpes do cavaleiro são fortes e pode custar boa parte da nossa energia.

Quando a porta se abre, somos os únicos a ouvir o que uma misteriosa voz diz e tudo indica que é o nosso irmão. Ele quer que o encontremos antes dela. Huum… Quem é ela? Meu palpite é Merula, porquê é a única que manifestou interesse nos Cofres Amaldiçoados além de nós. Agora, a razão por trás é que fica difícil de adivinhar já que ela se manteve distante durante todo esse Ano 2. Um milagre.

ABRIMOS O COFRE (um deles, na real)

No meio da sala encontramos um caderno e uma varinha a qual temos certeza ter pertencido (ou pertencer ainda) ao nosso irmão. E claro, esse feito não poderia passar despercebido, então McGonagall nos convida até a sala do Dumbledore. Aparentemente, por ter escolhido Bill e Penny fui pega. Mas, se ao invés de Penny tivesse escolhido o Ben, isso não teria acontecido, fica aí a dica. Minerva nos tira pontos, mas Dumbledore nos “devolve” com adicional de mais 10 pontos. Também nos faz prometer que não vamos tentar mais nada perigoso. Aqui tem 2 opções bem interessantes. A primeira é revelar que encontramos uma varinha. A segunda é perguntar sobre os cofres. Mas como precisava de pontos altos de sabedoria, não pude escolher essa opção.

AS MUDANÇAS

É nítida as mudanças na jogabilidade durante esse Ano 2. E mesmos que as quests precisem de horas para serem finalizadas, não é necessário preencher todas as estrelas. Algumas necessitam de apenas 1 ou 2. Logo, o jeito é apenas esperar mesmo o tempo passar sem preencher as estrelas bônus também.

A dica é nunca zerar as energias, para assim esperar menos tempo para que sejam preenchidas. Os gráficos melhoraram também e o número de bugs diminuiu. A história ficou visivelmente mais intrigante e a adição de personagens queridos como um membro da família Weasley e o Hagrid deixou tudo mais divertido. As side-quests com a Madame Pomfrey são curiosas e ela vai nos ensinar Episkey, o feitiço de cura, que vai nos ajudar um bocado durante duelos.

Atenção nas side-quests do Hagrid que são bem longas. Deixa-as por último, depois de finalizar as aulas. Essa é uma dica para todas as side-quests na verdade, porque chances há de que seja preciso responder algo o qual você não tenha atingido a meta de pontos em sabedoria, coragem ou carisma para tal.

CONCLUSÃO?

Se você tiver paciência o suficiente, Hogwarts Mystery continua valendo a pena. É uma história nova, intrigante, dentro de um universo que os fãs adoram que é o do Harry Potter. Além do mais, podemos controlar nosso próprio personagem dentro desse ambiente que nos é tão familiar e novo ao mesmo tempo.

As aulas não são as mesmas que o Harry teve. Muito menos a ordem em que os novos ambientes são liberados. Não tivemos Quadribol ainda, apenas a menção a uma partida. Nem passamos perto da Floresta Proibida. Nem mesmo fomos na Cabana do Hagrid, ou seja, é toda uma narrativa diferente e nova. Por isso, vale sim a pena continuar com o jogo, sem precisar gastar um único centavo real.