Share
“Homem-Aranha no Aranhaverso” traz herói inspirador para a nova geração

“Homem-Aranha no Aranhaverso” traz herói inspirador para a nova geração

Desde os primórdios da criação do personagem, Peter Parker sempre foi um herói de fácil identificação. Seu carisma, seu coração puro e muitas vezes sua falta de grana sempre foram motivadores para esse fato. Agora, é chegada a hora de um novo Homem-Aranha conquistar o público e ele se chama Miles Morales (Shameik Moore).

Em Homem-Aranha no Aranhaverso somos apresentados a Miles. Um estudante que tenta se adaptar a sua nova realidade em um colégio particular. A princípio, vemos que a pressão imposta por seu pai, o oficial Davis (Brian Tyree Henry), e a dificuldade de manter o ritmo do colégio, não tem deixado o garoto no melhor humor. Em busca de refúgio, o menino vai até o tio e acaba tendo sua vida mudada completamente. Assim como Peter Parker (Jake Johnson), Miles é mordido por uma aranha e ganha seus poderes. Inicialmente, Miles não acredita na possibilidade de haver dois cabeças de teia. Mas ao se envolver nos planos de Wilson Fisk, o Rei o Crime, ele descobre que pode existir muito mais do que apenas um Homem-Aranha.

Uma fenda é aberta no espaço-tempo e diversas versões do herói caem de paraquedas no universo de Miles. O Aranhaverso é expandido de uma maneira nunca vista antes. Com uma infinidade de possibilidades em mãos, o roteiro dá preferência que o público descubra novos personagens. Assim, quando a fenda é aberta, o Homem-Aranha Noir (Nicolas Cage), um detetive dos anos 30, a pequena Penny Parker (Kimiko Gleen) com seu robô do futuro, o Porco-Aranha (John Mulaney) e a jovem Gwen Stacy, a Spider-Gwen, se unem a Miles e a Peter para impedir o colapso do multiverso.

Homem-Aranha no Aranhaverso ganha brilho próprio ao construir o amadurecimento de Miles a partir de seu aprendizado com Peter. No começo, não é fácil convencer um cabeça de teia desacreditado a ensinar como ser herói para o iniciante Miles. Porém, reconhecendo suas fraquezas e reaprendendo a acreditar em si mesmos, ambos merecem grande mérito ao desenvolvimento do longa.

Entre tantos pontos positivos, o que chama muita atenção são os traços da animação. Sem qualquer pretensão de parecer realista, o filme tem destaque por parecer ter saído direto das páginas de um quadrinho. Em diversos momentos, somos presenteados com balões de fala, pensamento ou sequência de ação realizada em quadros. Outro destaque é como o Homem-Aranha no Aranhaverso lida com o humor, mesmo que isso signifique rir de si próprio. A Sony Pictures mostra que aprendeu com seus erros e não tem medo de admiti-los, o que rende referências divertidíssimas ao filme. Contudo, o filme possui falhas e elas são os vilões. O longa foca tanta atenção nos protagonistas que esquece em parte dos seus vilões.

Dentre todos apresentados, quem tem mais desenvolvimento é o Gatuno ao invés do grande vilão que seria o Rei do Crime. Apesar de a sua motivação ser em prol da própria família, sua construção deixa a desejar de maneira que o público sequer compreenda o vilão. Independente disso, é fácil acreditar que Homem-Aranha no Aranhaverso abre as portas para uma mitologia mais aprofundada do herói nos cinemas. Através de Miles, Gwen e tantos outros personagens, meninos e meninas agora podem se sentir representados. E assim, Homem-Aranha no Aranhaverso pode inspirar toda uma nova geração com suas aventuras.

homem-aranha no aranhaverso levou a estatueta de Melhor Animação no Globo de Ouro 2019
Ficha Técnica
Diretor: Rodney Rothman, Bob Persichetti, Peter Ramsey
Roteiro: Phil Lord, Rodney Rothman
Elenco: Shameik Moore, Jake Johnson, Hailee Steinfeld, Mahershala Ali, Brian Tyree Henry, Lily Tomlin, Luna Lauren Velez, Luna Lauren Velez, Zoe Kravitz, John Mulaney, Kimiko Glenn, Nicolas Cage, Kathryn Hahn, Liev Schreiber
Duração: 1h57min 
Estreia: 10 de janeiro