Share
“A Justiceira” – Exército de uma mulher só

“A Justiceira” – Exército de uma mulher só

A Justiceira é um filme de ação baseado em vingança. E filmes desse gênero tem basicamente a mesma premissa. Alguém que deseja se vingar de outra pessoa/sistema/empresa que tenha lhe causada mal ou aos seus. Nesse longa que ficou pouco tempo em cartaz, Riley (Jennifer Garner) parte em busca de vingança após seu marido e filha serem assassinados a pedido de um chefe do tráfico. E seria mais um filme de vingança comum se não fosse pela atriz.

Jennifer Garner sustenta sozinha esse longa que foi dirigido por Pierre Morel. Com um roteiro fraco e personagens mal construídos, A Justiceira tem força no exército de uma mulher só. Garner parece ter treinado bastante para se adequar ao papel e participa ativamente de muitas cenas de luta. Sem meias palavras ou discursos explicativos, ela parte para a briga e se põe em pé de igualdade ou até de forma superior aos homens que enfrenta. As cenas são pautadas em tiros, poucos socos e lutas de faca ou outros objetos. Com movimentos calculados, Riley não comete atos impulsivos que a colocam em risco. Quando eventualmente se machuca é em decorrência da luta. Sem deixar de lado os requintes de crueldade na hora da vingança. Percebe-se que dedicou um longo tempo a planejar tudo.

Entretanto, por mais que Garner tenha se dedicado ao papel, um longa não pode sobreviver apenas de suas cenas de luta. Quando chega o momento de contar a história, a situação muda.

São pontas soltas e buracos que se evitados teriam dado mais peso e qualidade para A Justiceira. De um lado tem o fato de não terem apresentado a ‘jornada da heroína’ e isso foi uma jogada inteligente. Para começar ela não é uma e em segundo lugar otimiza o filme como um todo. Há um pulo de cinco anos entre a perda da família para o início da vingança. Mas enquanto essa escolha foi acertada, tantas outras se mostraram o oposto. Preferir mostrar certas vinganças em detrimento de outras. Tentar criar um plot twist que foi fraco. Personagens coadjuvantes sem qualquer motivação. Apresentar elementos que não são utilizados posteriormente. E isso são algumas das falhas do roteiro.

Ainda que possua todas esses problemas, A Justiceira é um bom filme de ação que prende a atenção do espectador e o entretém. Em especial para quem sentia falta de ver a Alias distribuindo socos, pontapés e tiros. Liam Neeson e Keanu Reeves que se cuidem.

Ficha Técnica
Diretor: Peter Morel 
Roteiro: Chad St. John 
Elenco: Jennifer Garner, John Gallagher Jr., John Ortiz, Juan Pablo Raba, Annie Ilonzeh, Jeff Hephner, Cailey Fleming, Eddie Shin, Method Man, Tyson Ritter, Ian Casselberry, Richard Cabral, Johnny Ortiz, Michael Reventar, Kyla Drew
Duração: 1h41min 
Serviço: Amazon Prime