Share
“Krypton” pode ser uma grande aquisição ao universo do Homem de Aço

“Krypton” pode ser uma grande aquisição ao universo do Homem de Aço

Todo mundo conhece o Superman, certo? O alienígena mais adorado dos quadrinhos tem uma história bem conhecida: filho de uma das casas mais nobres de seu planeta, Kal-El foi enviado à Terra por seus pais, na tentativa desesperada de salva-lo da eminente destruição de seu mundo.

Tudo que sabemos sobre seu planeta é o que seu pai, Zor-El, deixou nos arquivos que vieram junto com a sua nave. Estamos tão no escuro quanto o próprio Superman. E essa é a proposta da série Krypton: nos apresentar mais sobre o planeta natal do Superman, assim como sobre a história da sua família.

A história começa quando o tataravô de Kal-El é acusado pelo novo governo tirano de alta traição, sendo julgado e condenado à morte. Junto com a condenação vem a desonra: todos os direitos e o próprio nome El são apagados dos registros, e o pequeno Seg (avô de Superman) cresce um jovem rebelde, inconformado com a situação injusta de sua família. Mas tudo vai mudar quando um estranho aparecer, dizendo que o futuro de Seg está em perigo e que ele precisa lutar e acreditar nos ideais pelos quais seu avô morreu.

Essa é a história apresentada no episódio piloto de Krypton. A série foi criada por David S. Goyer e Damian Kindler para o canal Syfy e estreou em 21 de março deste ano. Com um visual bem impressionante, a série já traz no primeiro episódio alguns personagens clássicos da DC. Assim como muitas referências, como a clássica capa vermelha do Homem de Aço.

O episódio piloto nos apresenta como funciona a cidade de Kandor, capital política de Krypton. Uma cúpula protege a cidade do clima extremamente austero do exterior, acolhendo tanto os grandes prédios públicos quanto a riqueza das altas classes e a pobreza das favelas, que ficam nos níveis mais inferiores da cidade. O visual é realmente bom, com efeitos que nos remetem à ideia de Krypton que conhecemos dos quadrinhos, mas que também nos apresentam a nova realidade das classes mais simples.

O figurino também merece destaque. Ao mesmo tempo em que é simples, tem pequenos toques futuristas e tecnológicos, misturando tecidos e peças de roupa com cortes diferenciados, que dão a clara ideia de que não estamos no planeta que conhecemos (a diferença entre eles e o visitante que aparece no episódio piloto é gritante).

Com toques de ação, romance, tragédia e bastante jogo político, a série tem tudo para se juntar aos recentes sucessos da DC Comics que já estão no ar pela emissora CW. Agora basta aguardar pelo desenrolar da história que, se souber prender a audiência, será uma grande aquisição para o universo do Homem de Aço.