Share
“Marvel’s Runaways” aposta alto em enigmas

“Marvel’s Runaways” aposta alto em enigmas

O que fazer quando desconfiamos que nossos pais são malvados? É o que o pessoal de Marvel’s Runaways, que estreou em 21 de novembro no Hulu, vai tentar descobrir.

A série que estreou com episódio triplo conta com seis jovens que após a perda de uma amiga acabam se afastando uns dos outros. Passados dois anos, Alex (Rhenzy Feliz) decide que é hora de contactar os amigos para uma reunião como costumavam fazer, mas cada um seguiu seu caminho. Nico (Lyrica Okano) não consegue conversar com os pais ou ninguém depois que perdeu a irmã. Karolina (Virginia Gardner) está presa nos deveres e responsabilidades da igreja da sua mãe. Chase (Gregg Sulkin) tenta impressionar o pai em vão. Gert (Ariela Barer) e Molly (Allegra Acosta) parecem as únicas a terem algum controle da sua vida.

Tudo isso seria perfeitamente normal na vida de qualquer adolescente. Contudo, eventos daquele mesmo dia levam os garotos a aceitar a proposta de Alex e irem para a tal reunião. Acontece que seus pais também estão numa reunião na casa de Alex e é aqui que as coisas começam a ficar estranhas. Os garotos descobrem uma passagem secreta no escritório que os leva até uma espécie de porão onde os pais de todos eles estão reunidos em volta de um receptáculo. Bem alarmados os garotos veem quando colocam uma menina lá dentro e ela desaparece em meio a uma forte luz. O que eles estavam fazendo? Para onde foi a garota? O que é aquele lugar?

Essas e outras perguntas surgem na cabeça dos garotos que precisam fingir que nada aconteceu ali. Mas, como investigar pessoas tão próximas de nós? E que possuem mais autoridade do que qualquer adolescente poderia imaginar ter?

Marvel’s Runaways é baseada no quadrinho de mesmo nome que foi criado por Adrian Alphona e Brian K. Vaughan que prestam consultoria para a série. Assim como nas páginas da revistas esse grupo de jovens vai descobrir que não conhecem seus pais. Na verdade, eles fazem parte de uma terrível e secreta seita. Bem, não tão secreta já que fora descobertos. Só que eles ainda não sabem qual é a finalidade de tudo isso. Além do mais, aos poucos, como foi visto nesses três episódios, Molly, Nico, Karolina e Gert, vão começar a desenvolver poderes.

Diferente da Netflix, concorrente direta do Hulu, aqui a temporada não é liberada por inteiro e por isso a necessidade de criar essa atmosfera cheia de enigmas a fim de prender a atenção do espectador. Uma aposta bem alta e que a princípio parece ter funcionado. A série possui um estilo diferente das demais que levam o selo Marvel, mas isso não quer dizer que seja um ponto negativo. O que pode acontecer é algumas pessoas estranharem a abordagem mais juvenil se tratando de uma história com personagens adolescentes, ainda na fase do colegial, que vão começar a descobrir seus poderes e consequentemente, cometer alguns deslizes. Algo que heróis adultos também fazem então, não é lá um demérito.

O grupo de jovens consegue passar uma atuação convincente, porém, vão precisar de mais tempo para desenvolver mais carisma e estabelecer a relação entre eles, o que é o esperado. Ao contrário do grupo de pais que mesmo sendo parte de uma seita secreta, agem de forma muito engessada. Quase como uma atuação robótica e pausada. Os diálogos entre eles soam ensaiados demais e não apresentam a química necessária para passarem como casal ou família. Talvez seja uma postura adotada por servirem a um misterioso “bem maior” mas a estranheza permanece.

Espero que os enigmas ganhem respostas que levem a outras perguntas. Desse modo, vai existir uma linha narrativa coerente e que atenda ao proposto para a temporada inicial.

Ficha Técnica
Showrunner: Josh Schwartz e Stephanie Savage
Roteiro: Drew Pearce e Brian K. Vaughan 
Elenco: Rhenzy Feliz, Lyrica Okano, Virgina Gardner, Ariela Barer, Gregg Sulkin, Allegra Acosta, Angel Parker, Ryan Sands, Annie Wersching, Kip Pardue, Ever Carradine, James Masters, Brigid Brannagh, Kevin Weisman, Brittany Ishibashi, James Yaegashi
Episódios: 10