Share
Na Estante: “Quem Era Ela” de JP Delaney

Na Estante: “Quem Era Ela” de JP Delaney

Sabe aquele livro que você pega, olha, lê a sinopse e fica imediatamente curioso? É o que ocorre com o novo thriller psicológico da Editora Intrínseca Quem Era Ela escrito por JP Delaney e lançado no último dia 10 de Março.

O ponto central da história se passa numa casa austera em Folgate Street nº1 onde ambas personagens habitaram em diferentes momentos. Caminhamos junto com elas enquanto assinam o contrato e aprendem sobre as mais de 100 regras que vão ter que cumprir para poder morar na casa. Desenvolvida a partir de um conceito hiper minimalista pelo famoso arquiteto Edward Monkford, a casa é inteligente e funciona de modo integralmente digital, atendendo as demandas dos seus moradores a partir de pulseiras que terão que usar e assim o sistema interno, chamado de Governanta, os identifica e aciona de forma automática luzes, cortinas, eletrodomésticos, os portões de entrada e saída e até mesmo a água do chuveiro a temperatura de preferência.

Emma passou pela experiência de virar refém em seu apartamento quando esse foi assaltado e encontra a segurança de que precisa para se reerguer novamente nessa casa fria e cheia de regras. Vai ser uma maneira de se desprender das frivolidades do passado. Jane, por sua vez, teve a experiência traumática de dar a luz a um bebê natimorto e abraça a ideia de ir para esse lugar sem poder levar nenhum móvel e assim deixar para o trás o lar que havia construído para uma criança que, infelizmente, não existe mais.

De tempos em tempos vão ter que preencher um questionário, uma espécie de pesquisa de satisfação, que vai ser enviada a empresa do arquiteto e dependendo do resultado garante a permanência dos inquilinos na casa ou seu convite para se retirar. Contudo, a casa na Folgate Street nº1 esconde segredos não revelados antes e que vai induzir o comportamento dos que consequentemente forem morar na casa, assim como Jane que sem querer descobre vestígios de Emma e fica curiosa para descobrir quem foi que habitou a casa antes dela e porquê ainda existem pertences dela guardados na casa? Numa casa marcada por sua aparência perfeita, nenhum dos moradores parece fazer jus a ela. Nem mesmo o arquiteto.

Não resta a menor dúvida de que Quem Era Ela é um livro deveras intrigante e que vai deixar o leitor se questionando sobre os acontecimentos descritos e até mesmo a índole de todos os personagens. Entretanto, Delaney vai um pouco além nessa história e relata não apenas como nos tornamos dependentes de bens materiais, seja eles quais forem, mas como também ficamos dependentes de relações de amizade e amor e até mesmo como somos e/ou queremos ser vistos por terceiros. Uma estranha necessidade que só se torna real quando o outro nos valida, seja de forma positiva ou negativa. O que acaba aflorando em nós um lado mais escuro e sombrio e que poucos conseguem ver. O livro também fala de relacionamentos abusivos, psicopatias, pessoas narcisistas, assassinatos, mentiras e vinganças.

Alternando de forma dinâmica a trama entre as personagens de Emma e Jane, o autor cria uma fluidez ímpar na narrativa e que acaba por cativar o leitor que não consegue parar de ler Quem Era Ela até a última página. Não obstante, consegue guardar bem segredos que somente se revelam faltando poucas páginas para terminar.