Share
Na Estante: “The Chalk Man” de C.J. Tudor

Na Estante: “The Chalk Man” de C.J. Tudor

Alguns livros chamam a sua atenção ao se vender bem. O marketing acaba sendo a alma do negócio. E foi isso o que aconteceu com The Chalk Man (O Homem de Giz) para me deixar curiosa ao ponto de lê-lo. Entretanto, tem alguns obstáculos no caminho da leitura.

Capa similar foi lançada pela Editora Intrínseca

Lançado no Brasil pela Editora Intrínseca (a versão em português), o livro está sendo vendido como uma mistura de Stranger Things com It – A Coisa do Stephen King. O que é meio redundante tendo em vista que a série da Netflix também se inspira no autor. De todo modo, a ideia de vender o livro assim foi bem inteligente já que tanto o seriado quanto o autor são bem populares. O lado ruim desse marketing é que tamanha comparação nos deixa esperando algo tão bom quanto e não é bem isso o que acontece.

A escolha de alternar a cronologia entre passado e presente é inteligente. Assim o leitor não se cansa com facilidade e cria-se uma dinâmica na leitura. A história gira em torno de 5 amigos que vivenciaram uma experiência traumática aos 12 anos e isso volta para atormentá-los trinta anos mais tarde. Tal qual em It – A Coisa onde há uma passagem de 27 anos. Quem narra a história é Eddie que no auge dos seus 42 anos é um professor fracassado, talvez alcoólatra, certamente cleptomaníaco e que também tem problemas de acumulador. Vive na casa onde cresceu e é através do seu olhar que o leitor aprende sobre os acontecimentos na pequena cidade de Anderbury.

Tal qual a turma de Conta Comigo, Fat Gav, Hoppo, Metal Mickey, Eddie e Nicky estão enfrentando um verão turbulento. Para começar um acidente no parque de diversões faz de Eddie um herói. E é lá que ele conhece Mr. Halloran, a quem mais tarde todos viriam chamar de Homem Giz pelo fato dele ser albino. O garoto acaba desenvolvendo um certo afeto pelo futuro professor e é aqui que as coisas se embolam. Depois de salvarem uma menina no parque de diversões, Mr Halloran começa a visitá-la diariamente e os dois se apaixonam. Só que ela é menor de idade e ele um forasteiro. Se isso não fosse o suficiente, a menina aparece morta na floresta e tudo aponta para Mr. Halloran a quem Eddie tem certeza que é inocente, mas não fala nada. E isso volta para lhe assombrar 30 anos depois quando os mesmos desenhos em giz que ele e os amigos costumavam fazer aparece na porta da sua casa.

A autora do livro C.J. Tudor

Como não poderia deixar de ser, cada personagem possui seus próprios problemas e fantasmas para lidar. A mãe de Eddie é médica numa clínica de aborto o que revolta o grupo de religiosos da cidade, em especial o Reverendo Martin que é pai de Nicky. Os dois tem uma relação complicada, para dizer o mínimo. Fat Gav é o típico menino rico que está sempre querendo chamar atenção e faz as piadas sem graça, mas que todos riem porque querem continuar amigos dele. Em especial Hoppo que mora apenas com a mãe e possui uma situação financeira mais apertada que os demais. Por último, mas não menos importante tem Metal Mickey, cujo irmão mais velho Sean adora implicar e abusar fisicamente dos seus amigos.

É quase impossível ler The Chalk Man (O Homem de Giz) sem fazer associações entre os personagens criados pela autora e os do Stephen King. A semelhança é gritante. Ter algo ou alguém como inspiração não é ruim. Porém, nesse caso, o distanciamento é nulo. O que acaba atrapalhando a leitura em alguns momentos.

Além do mais, o grande mistério não é tão grande assim. Na verdade ele é revelado bem no início se prestar bem atenção. O que Tudor propõe – e que fica meio nas entrelinhas – é mostrar que o peso das consequências é o mesmo tenha você 12 ou 42 anos. Essas cinco personagens, sem querer ou não, acabam interferindo em acontecimentos relevantes na cidade, envolvendo coisas graves como assassinatos, os quais só vão se dar conta ou mesmo questioná-los anos depois. Não porque tiveram um interesse súbito agora que são adultos. Mas sim porque esses fantasmas bateram na porta e exigiram respostas. Um encerramento. Logo, é hora de arcar com as consequências e revirar alguns segredos bem guardados.

The Chalk Man (O Homem de Giz) é o livro de estreia da autora que foi recusada por diversas editoras até ser aceita pela Penguin Books. Proporciona uma leitura prazerosa, sem muito compromisso, e é uma boa pedida se obras como as mencionadas acima e o Stephen King são do seu interesse.