Share
O engenhoso “Fragmentado” de M. Night Shyamalan

O engenhoso “Fragmentado” de M. Night Shyamalan

Quando O Sexto Sentido foi lançado o diretor M. Night Shyamalan tornou-se imediatamente o novo mestre de filmes de suspense e plot twist. Infelizmente, o título não durou muito tempo e ele vem tentando voltar a boa forma o que parece ter acontecido em Fragmentado.

O longa gira em torno desse estranho homem que acaba sequestrando três adolescentes e trancando-as em uma espécie de porão. Ao passo que ele se apresenta como Denis, aprendemos que também atende por outros nomes e que na verdade sofre de Transtorno Dissociativo de Identidade onde 23 personalidades coexistem em seu corpo as quais ficam sentadas em cadeiras pacientemente esperando a vez de aparecer, como o próprio explicou a sua psiquiatra. Por anos Barry – que possui a personalidade mais sociável – tem se consultado com a Dra. Fletcher (Betty Buckley) que aos poucos está se tornando especialista nesse tipo de transtorno. Ela acredita que a mente possui um poder muito maior sobre o corpo e que cada uma dessas personalidades, ainda que habitem a mesma carcaça, podem sim ser biologicamente diferentes ao passo que uma pode necessitar de óculos e a outra não, por exemplo. Conforme Barry e depois Denis parecem requerer mais e mais consultas, a doutora pressente que algo não está bem e descobre que há a possibilidade de uma personalidade 24 surgir e essa, iria dominar todas as outras.

Fragmentado se sustenta principalmente nas atuações de James McAvoy que conseguiu exprimir no personagem o necessário para fazer com que o espectador acreditasse na premissa do filme. Foi capaz de construir não uma, nem duas, mas algumas personalidades utilizando muito mais do que roupas como artifício de identificação. McAvoy trabalha com todos os músculos do rosto, desenvolvendo expressões e olhares distintos para cada personagem, além de mudar postura, caminhar e modo de falar. E é possível vê-lo fazer isso em cena sem muito esforço – ao menos é o que parece – dando um tom mais soturno e perigoso ao título.

Assim como os demais títulos do diretor e roteirista, Fragmentado é centrado em um único personagem onde a trama é desenvolvida a partir de acontecimentos que lhe afetem ou os quais ele provoca. Nesse caso, Kevin que descobrimos ser a identidade original e que criou todas as outras para se proteger, sequestra as meninas para saciar o desejo de uma das personalidades que ainda não aflorou e que conhecem como Besta. Shyamalan tem essa forte ligação com o sobrenatural e místico e alguns de seus outros projetos permeiam dentro desse mesmo conceito como A Dama na Água e Corpo Fechado, por exemplo. Entretanto, Fragmentado possui um desenvolvimento bem particular e é o primeiro projeto no qual lidamos com um antagonista como principal, se é que o podemos classificar dessa forma.

M. Night Shyamalan tem obtido um enorme sucesso de público e crítica com esse filme desde sua estreia lá fora em Janeiro, todavia, creio que os créditos de tal êxito se deve bem mais ao desempenho de James McAvoy em cena. Sem ele, bem provável que a resposta do público fosse outra.