Share
O Melhor e o Pior do Oscar 2015

O Melhor e o Pior do Oscar 2015

Todo ano os amantes da sétima arte param por algumas horas para assistir a premiação que é considerada a mais alta honra para quem trabalha com cinema. A cada ano, a Academia (como é carinhosamente chamada já que o nome em si é enorme) premia aqueles considerados os melhores em seu ofício, seja o de editar imagens, sons, compor trilhas sonoras, escrever roteiros incríveis, dirigir grandes filmes ou apresentar um ótimo trabalho de atuação. Os concorrentes são muitos e a grande maioria sai com as mãos abanando, porém, nos últimos anos, ninguém tem saído ileso da premiação em si. Com um apresentador diferente a cada edição a Academia tem em mãos a difícil tarefa de conseguir não apenas distribuir as estatuetas, mas, garantir que os convidados, assim como os telespectadores tenham boas horas de entretenimento. Ano passado a apresentadora Ellen DeGeneres conseguiu a proeza de “quebrar” o Twitter com o seu selfie de artistas e ainda distribuir pizza para alguns convidados. Dessa vez, Neil Patrick Harris decidiu usar apenas do seu charme pessoal e soltar piadas e muitas alfinetadas, bem interessantes como essas:

“Tonight we honor Hollywood’s best and whitest—sorry, brightest.” [Hoje iremos honrar os melhores e mais claros de Hollywood – desculpa, os mais inteligentes.]

“Benedict Cumberbatch is not only the most awesome name in show business, it’s also the sound you get when you ask John Travolta to pronounce ‘Ben Affleck.’” [Benedict Cumberbatch não é apenas o melhor nome que temos nessa indústria, é também o som que você ouve quando o John Travolta tenta dizer ‘Ben Affleck’]

O apresentador ainda percorreu a platéia, brincou com Steve Carrell e alfinetou seus “patrões” ao pedir que o ator David Oluyewo, que ficou de fora da categoria de Melhor Ator, lê-se um trecho de um texto ‘porque tudo ficar melhor com sotaque britânico’ e completa dizendo: “Ficou excelente não foi?” O público bate palmas e ele continua “Ah, agora vocês gostam dele?”

4221396001_4075470037001_David-Oluyewo-vs

Ao subir no palco para cantar Everything is Awesome a platéia recebeu algumas estatuetas do Oscar montadas em peças de LEGO evidenciando que ao menos eles deveriam ter sido indicados. Oprah, Steve Carrell, Felicity Jones, Channing Tatum, Emma Stone e até mesmo Clint Eastwood receberam uma estatueta. Creio que o pessoal já sabia quem não iria ganhar nada.

giphy

Todos sabemos que o tempo que cada vencedor tem para agradecer é bem curto, principalmente se for algum prêmio fora da linha dos mais esperados do noite. Mas ontem a orquestra estava particularmente apressada ao cortar os discursos do diretor polonês Paweł Pawlikowski que levou prêmio por Melhor Filme Estrangeiro e também os de Ellen Goosenberg Kent e Dana Perry que levaram Melhor Documentário de Curta-Metragem por Crisis Hotline: Veterans Press 1 e dedicaram o prêmio ao filho adolescente de Dana que cometeu suícidio. A música estava cortando o discurso emocionado da mãe e impedindo que ela pudesse fazer seu alerta. Grosseiro. Sobe a música para eles.

A rainha das indicações ao Oscar, Meryl Streep mais uma vez foi a sensação da noite ao ovacionar o discurso da colega e vencedora Patricia Arquette ao pedir direitos iguais de trabalho e salariais para as mulheres. Meryl não apenas concordou com a colega como ficou de pé para aplaudir, gerando assim inúmeros memes internet afora. Será que Meryl estaria insatisfeita com o seu salário?

giphy (1)

Um dos momentos mais hilários da premiação foi a atriz Idina Menzel dando o troco em John Travolta ao errar seu nome de propósito e ele concordar que merecia isso. A situação passou de divertida para constrangedora quando o ator começou a acariciar o rosto da colega que parecia desconfortável com o ato. A surpresa maior ficou por conta da cantora Lady Gaga que se despiu de todos artifícios que usa normalmente e cantou de forma divina em homenagem aos 50 anos de A Noviça Rebelde surpreendendo a todos e arrancando elogios de ninguém menos que Julie Andrews. O que nos faz perguntar: Por que se esconder por trás de tantos apetrechos e efeitos em suas músicas, se o produto original, de fabricação própria é simplesmente fenomenal?

No quesito premiações não houve nenhuma surpresa ou novidade, a não ser que Boyhood não foi o favorito da noite como muitos críticos especializados gostaram de espalhar por aí. Na verdade, os prêmios foram divididos quase que irmamente entre três produções: O Grande Hotel Budapeste, Birdman e Whiplash. Porém, o britânico Eddie Redmayne levou como Melhor Ator e discursou de forma incrivelmente emocionada, deixando a todos estupefatos com a sua simplicidade e sinceridade ao pegar a estatueta. Alejandro Gonzáles Íñarritu foi o destaque da noite ganhando os prêmios de Melhor Diretor e Melhor Filme, algo que pareceu incomodar bastante o ator Sean Penn que soltou a infeliz piada antes de anuncia-lo como vencedor: “Quem foi que deu o Greencard para esse cara?” Para aqueles que não sabem, Íñarritu é mexicano e fez questão de mencionar suas origens em seu discurso. Outra bola fora, não pela atitude e sim pelo atraso da mesma, partiu da Diretora da Academia ao fazer um discurso pomposo que desmentia a exclusão de negros e mulheres como concorrentes em algumas categorias. Ainda que a decisão fosse nobre, demorou muito para ter tal postura e agora, é apenas chover no molhado.