Share
“Parasita” – Uma sátira social

“Parasita” – Uma sátira social

Parasita é mais um longa que pertence ao cinema autoral de Joon-ho Bong. O cineasta tem o costume de injetar elementos em seus filmes que dialogam com a realidade. Foi assim em O Expresso do Amanhã e Okja. Agora, em Parasita, vencedor do Palme d’Or em Cannes esse ano, Bong entrega uma sátira social perturbadora que tem início quando o caminho de duas distintas famílias sul coreanas se entrelaça.

A primeira família composta por pai, mãe e um casal de filhos vive às margens da sociedade. Desempregados, sobrevivem de pequenos bicos aqui e ali enquanto habitam um semi-porão na periferia. Mesmo que cansados da vida que levam, não querem se esforçar muito para melhorar a situação. Porém, as coisas mudam quando o primogênito arranja um bico de tutor através da indicação de um amigo e vai trabalhar para a rica família Park. Não demora muito ele consegue colocar a irmã e os pais para trabalhar na enorme mansão de concreto. Sem que os patrões saibam que são parentes. Os quatro fingem que não se conhecem, enquanto vão usufruindo um pouco da vida mansa que levam os Park.

Parasita 1

Parasita não é um filme que o espectador consiga adivinhar o que vai acontecer. Os personagens possuem diversas camadas, que vão se revelando à medida que a trama desenrola. Ainda que a atmosfera nos pareça um tanto previsível, os desdobramentos surpreendem. Em menor e maior escala. Tal característica faz parte da forma que Bong desenvolve seus projetos. Assim sendo, ele usa as família como sátira para tecer críticas a desigualdade social.

Se por um lado a família Park vive num casarão, com longos corredores e luz natural abundante, do outro lado, a família Kim precisa se espremer num semi-porão fétido e ainda dividir o local com insetos. Apesar de estarem em mundos quase opostos, as duas famílias são um reflexo distorcido uma da outra. Visto que o parasita é um ser que se aproveita do hospedeiro, as famílias acabam por agir de forma semelhante.

Parasita 2

Por isso, o novo trabalho de Joon-ho Bong levou o prêmio máximo no festival de Cannes. Repleto de diversas camadas, Parasita é um sopro de frescor em meio a tantas produções que só apresentam mais do mesmo.

FICHA TÉCNICA
Diretor: Joon-ho Bong
Roteiro: Joon-ho Bong, Jin Won Han 
Elenco: Kang-ho Song, Sun-kyun Lee, Yeo-jeong Jo, Hye-jin Jang, So-dam Park, Kang Echae, Jeong Esuz, Hyun-jun Jung, Ik-han Jung, Ji-so Jung, Jeong-eun Lee
Duração: 2h12min