Share
“Perrengue” da MTV Brasil mostra bem a realidade da geração millennial

“Perrengue” da MTV Brasil mostra bem a realidade da geração millennial

A geração conhecida como millennial atingiu a maior idade no começo do século 21. Foram prestigiados com tecnologias e avanços que os pais não tiveram. E talvez por isso, entre outros fatores, acham que merecem mais da vida. Ao menos é o que aparece em Perrengue, a nova série do canal MTV Brasil.

Veja bem, não há problema algum em querer mais da vida. Quem não quer? O problema reside quando não há o menor esforço para que isso aconteça. Essa geração ficou popularmente conhecida por querer tudo e não fazer nada para tal. São crias da era digital que querem enriquecer fácil e, de preferência, da noite para o dia. Bem o retrato dos jovens da série Perrengue.

O show gira em torno dos três amigos de infância Pérola (Mariana Molina), Cadu (Vinícius Redd) e Miguel (Guilherme Dellorto) agora beirando entre 24 e 25 anos. E cada um deles representa bem a geração millennial.

(de cima para baixo) – Cadu, Pérola e Miguel.

Pérola herdou a casa da avó e convida Miguel para ir morar com ela. Sonha em ser uma artista plástica, se dedicar aos seus quadros e não ser obrigada a aceitar trabalhos mundanos para sobreviver. Não tem qualquer respeito pela cadeia hierárquica e seu estilo controverso lhe rende boas saias justas. Mesmo entre os amigos. Seu lema poderia ser: como assim vou ter que trabalhar com isso?

Já o Cadu é o típico filhinho de papai e mamãe que nunca conheceu dificuldades na vida e se irrita quando questionado. Ele sabe o que quer. Só não quer ter que se esforçar para isso. Os pais o protegeram muito e agora que a situação está apertando, não sabe para onde correr. Nem como! A ficha começou a cair (uma expressão que não cabe mais nos dias de hoje!) e chegou a hora dele começar a caminhar com as próprias pernas. Seu lema poderia ser: cara, é sério que vou ter que fazer isso?

Miguel é o único que parece ter um norte, um propósito. Ainda que esse meio buscado por ele seja “fácil” ao se dedicar à concursos públicos. O dito emprego garantido e estabilidade financeira. Doce ilusão. De todo modo, é o único que tem diploma entre os amigos. O que não quer dizer que ele seja o mais estável. Os problemas de Miguel são outros. Seu lema poderia ser: não queria não, mas eu fiz.

Perrengue vai contar com 13 episódios no total e com 6 lançados não alcançou realmente nenhum dos pontos os quais se propõe. A produção da MTV Brasil que conta com roteiro e direção de Renata Fraga e Tatiana de Lamare se vende como “uma selfie sem filtro de tudo o que pode envolver a entrada na vida adulta: trabalho, família, drogas, aborto, sexo, relações livres e experiências homo afetivas. É um retrato real da vida dos jovens feita de forma minimalista, sem glamour ou grandes exageros.” Entretanto é sem graça e superficial.

Até o momento os personagens não tiveram qualquer evolução e estão mais perdidos do que quando começaram. Com discursos rasos e diálogos frágeis parecem interessados em curtir a vida e aproveitar o momento, do que correr atrás dos seus sonhos. De um futuro. De novo, não há problema em querer mais da vida. Porém, se nada fizer para isso, nada acontece. Ela só passa.

Perrengue vai ao ar toda Segunda-feira na MTV Brasil às 22h com dois episódios.