Share
Recap: “Star Trek: Discovery” – The Butcher’s Knife Cares Not for the Lamb’s Cry (1×04)

Recap: “Star Trek: Discovery” – The Butcher’s Knife Cares Not for the Lamb’s Cry (1×04)

Mais e mais Michael Burnham precisa se desdobrar para se adequar ao trabalho na USS Discovery. E nesse quarto episódio vimos que as coisas vão complicar mais no futuro.

Sem ter uma saída decente, a não ser cumprir com sua pena, vimos que Burnham aceita a proposta do Capitão Lorca e permanece à bordo da nave. Algo que vai contra a vontade de Saru e provável que de outros membros como Comandante Landry.

Após os eventos de resgate na USS Glenn, Lorca designa Michael que é uma xenoantropóloga (estudo de espécies extra terrestres) para descobrir mais sobre o animal que foi capturado na nave e, supostamente, assassinou toda a tripulação. Incluindo os Klingons. Acontece que os planos bélicos de Lorca continuam e ele quer transformar o ser em uma arma, tirando proveito de sua carapaça e garras. Michael não parece concordar muito com as intenções do Capitão, mas não vai se opor novamente como fez com Georgiou.

Enquanto lida com a investigação a USS Discovery recebe o pedido de ajuda de uma colônia de mineradores que está sendo atacada pelos Klingons. A colônia é responsável por produzir 40% de todo dilítio que é utilizado nas naves da Federação e um ataque desses viria a prejudicar bastante a frota. Só que a colônia está numa distância considerável de todas as naves da Federação restando apenas a USS Discovery para utilizar a tecnologia que adquiriu da USS Glenn e se mover o mais rápido possível.

Estratégia essa que vai contra as pesquisas do Tenente Stamets que bate de frente com o Capitão e quase é convidado a se retirar da nave. Mostrando assim que as reais intenções de Lorca, ganhar a guerra a qualquer custo e sair vitorioso dela. De preferência. O que difere do propósito da USS Discovery que é uma nave científica, de pesquisa. E esse desejo inflamado do Capitão acaba contagiando parte de sua tripulação, levando-os a atitudes extremas para obter aprovação.

Resta a Burnham desvendar o real propósito daquela espécie estar na USS Glenn, assim como poupá-lo do que planejam para ele. Só que não vai terminar do jeito que ela esperava. Infelizmente. Consegue descobrir para que o animal serve, mas não fica satisfeita com o resultado. E mesmo recebendo um legado da falecida Capitã Georgiou, as coisas vão complicar bastante para ela dentro da USS Discovery.

The Butcher’s Knife Cares Not for the Lamb’s Cry gira principalmente entorno das ações do Capitão Lorca e de alguns Klingons que não se importam quem machucam para conseguir o que querem. Da mesma forma que nem o Capitão e nem ninguém (além de Burnham) está preocupado com os sentimentos daquele ser, os Klingons só se importam com a guerra e por isso mesmo Kol retira Voq do poder da nave de T’Kuvma e o deixa à deriva nos destroços da Shenzhou. Numa guerra não há tempo para se preocupar com o outro e mais e mais Michael consegue entender a extensão dos seus atos. E como eles afetaram e ainda afetam a Federação seis meses depois. Aos poucos vai tentar trilhar um caminho que leve os propósitos bélicos do Capitão para outra direção. O que pode lhe causar ainda mais problemas já que ela não possui patentes para serem arrancadas de novo. Dessa vez, suas ações podem resultar numa pena mais árdua.

Star Trek: Discovery vem trilhando um caminho bem distinto daquele traçado pela série clássica a qual precede em 10 anos dentro da cronologia do show. A cada episódio temos a certeza de estar assistindo algo novo, mas que é familiar e preserva parte do que foi feito anteriormente.

Porém, comparado aos outros três, este episódio pecou no ritmo e desenvolvimento da história. Felizmente, temos ainda 11 episódios pela frente.