Share
Review: “A Forca” assusta mais pela repetição de estilo!

Review: “A Forca” assusta mais pela repetição de estilo!

Adoro filmes de terror. Ao mesmo tempo que levar sustos não é algo muito agradável, mas, é a marca características do gênero. É preciso ficar tenso, nervoso e na ponta da cadeira o tempo todo ou não faz muito sentido. De uns tempos para cá parece que o gênero terror ter sido limitado a um único sub-gênero o “found footage”, que são as filmagens feitas com câmeras caseiras e começou lá com A Bruxa de Blair.

Quando um faz sucesso, todos querem seguir a mesma onda, porém, nem sempre funciona e também, nem sempre é tão bom quanto aquele que está sendo copiado, quando deveria ser algo a mais.

A lista de filmes que usam de tal técnica é enorme, mas basta dizer que A Forca está no final dela e que a repetição do estilo não foi o único problema do longa.

Em 1989 a encenação de uma peça escolar terminou em tragédia. O protagonista acabou falecendo em razão de um erro. Anos mais tarde a mesma peça está sendo reproduzida na escola e se encontra em seu estágio final a poucos dias da estréia. Reese está no papel de protagonista e muito nervoso, em especial porque está interessado em sua parceira de palco, Pfeifer. Ryan que está encarregado de gravar a peça não alivia para ninguém ao aprontar brincadeiras com todos e adora ficar falando o nome do falecido, mesmo que lhe digam para não fazer, pois dá azar. Determinado a não deixar o amigo passar vergonha, Ryan convence Reese a ir na escola a noite e destruir o cenário, assim não terá mais peça. Os dois mais Cassidy, a namorada de Ryan, conseguem entrar na escola graças a um porta quebrada. Estão no meio da destruição quando ouvem barulhos estranhos e Pfeifer aparece, pegando-os no flagra. Eles desmentem, mas a garota repara a mentira. Quando voltam para o palco, tudo está no exato lugar e ao tentarem ir embora, a porta quebrada agora está trancada e não existe outra saída. Outros barulhos começam a surgir e eles sabem que não estão sozinhos ali.

forca

Ainda que o cenário escolhido tenha sido o ideal, os corredores desertos de uma escola e a coxia de um teatro a noite podem ser bem assustadores, o restante do filme é descompassado e mesmo o pequeno plot twist próximo do fim não consegue salvar o longa, na verdade, acaba piorando tudo, pois o elo que deveria existir entre o ocorrido na peça da década de 80 e na de agora é extremamente fraco e sem qualquer sentido, deixando um buraco na história. Não só isso, tira também o propósito da perseguição aos garotos, já que geralmente espíritos vingativos possuem um motivo para matar os vivos e não apenas matar por matar.

A Forca tinha tudo para ser interessante e até mesmo considerado um bom filme de terror, mas peca no estilo e especialmente no roteiro falho. Por sorte esse filme de baixo orçamento conseguiu que a Warner Bros. fizesse a distribuição, mas, vai continuar lá no final da lista.