Share
Review: ‘Até o Último Homem’ se sustenta na atuação de Andrew Garfield

Review: ‘Até o Último Homem’ se sustenta na atuação de Andrew Garfield

gradebmaisO ator e diretor Mel Gibson esteve afastado de Hollywood após algumas polêmicas. Fosse por ser pego ao dirigir embrigado ou por expor sua viés ideológica sobre como criar filhos, o que chocou a indústria do cinema. Contudo, deixando a visão pessoal um pouco de lado, não dá para negar a sua capacidade de fazer bons filmes e de transmitir uma perspectiva única para o público.

Em Até o Último Homem (Hacksaw Ridge no original), Gibson abraça mais um filme que fala de guerra, mas usando-a mais como pano de fundo para narrar a história verídica desse soldado que enfrentou não apenas os campos de batalha japoneses, como também seus colegas de exército a fim de fazer valer a sua vontade religiosa. Estou falando de Desmond Doss que se recusou a carregar um rifle enquanto treinava e teve que ser submetido a consultas psiquiátricas e até mesmo um julgamento para por fim ir defender seu país na guerra. Contudo, as razões que levaram Desmond a tomar essa decisão, vai além do critério de ser puramente religioso. Tem a ver com a história de vida dele e uma força de vontade ímpar em não querer repetir os mesmos erros de seu pai e tentar sempre ser alguém melhor, não para si mesmo, mas para aqueles que estão a sua volta.

hacksaw4

Gibson decide nos contar essa história quase que unicamente do ponto de vista do retratado, com isso dedica-se com afinco a construção da vida do personagem desde um momento específico em que era criança, até se tornar um adulto com algumas lacunas na trama que só são preenchidas mais para frente. Tal escolha de narração pode vir a incomodar o espectador que provavelmente está ansioso por assistir a muitas cenas de guerra, mas vai conseguir compreender a necessidade que o diretor encontrou em explicar a trama dessa maneira. Precisamos nos conectar com o personagem e entender seu ponto de vista e ideais para por fim entendermos os motivos que o levaram a se alistar e tão insistentemente não querer mudar de ideia quanto a carregar uma arma e consequentemente ter que atirar em alguém. Num país de amantes da guerra, usando de uma generalização exagerada, Doss mostra que é possível fazer o bem num campo de batalha e representar seu país sem precisar erguer o dedo contra o adversário. Sentindo que tinha um destino ali a cumprir, além de provar que seus preceitos estavam corretos desde o início, Desmond desbancou alguns superiores de modo intelectual, não elevando sua voz com ninguém, nem impondo seus ideais. Apenas pedindo o direito de ser respeitado por aqueles que estavam a sua volta e sem qualquer alarde, mostrou a força de vontade que existia dentro de seu corpo franzino e tímido.

hacksaw3

Essa história nos é contada através da brilhante atuação de Andrew Garfield que mesmo tendo um elenco de peso a sua volta, carrega nas costas o longa com esse personagem pouco conhecido e que salvou mais de 70 pessoas de perecerem no campo de batalha travado em Okinawa no auge da Segunda Guerra Mundial. Mais do que um herói, a figura apresentada nesse filme serve como exemplo de vida e o longa tem toda uma linguagem particular que transmite justamente essa mensagem. Não existe apenas um tipo de herói numa guerra, podem surgir vários.

legendagrades1