Share
Review: “Cake – Uma Razão Para Viver”

Review: “Cake – Uma Razão Para Viver”

Alguma cicatrizes são eternas. Por mais que tentem escondê-las, estarão sempre lá. Sejam visíveis ou não.

Claire (Jennifer Aniston) não precisa esconder suas cicatrizes. Mesmo que quisesse, nem conseguiria, elas começam pelo seu rosto e vão permeando pelo resto do seu corpo. Uma tortura que terá que levar para o resto da vida e isso acaba refletindo em como ela lida com todos a sua volta. A dor que sente, ainda que internamente, é externada de forma bruta ao ser ríspida e grosseira com todos e se isolar em casa. A única que parece suportá-la é Silvana (Adriana Barraza) responsável por cuidar da casa, de Claire e ampará-la sempre que necessário. No entanto, um assunto não parece sair da cabeça de Claire: suicídio. Especialmente depois que uma colega do grupo de apoio tirou a própria vida de modo terrível. Essa busca por respostas a possíveis soluções levará Claire a outras descobertas pessoais.

la-et-mn-jennifer-aniston

Cake – Uma Razão Para Viver se sustenta unicamente na atuação brilhante de Aniston. Os demais atores, mesmo a sempre vivaz Anna Kendrick, parecem apenas flutuar enquanto a atriz rouba toda a cena. Desprovida de qualquer artifício além de suas cicatrizes, Aniston prova que consegue muito mais. A frustração, raiva e aparente incapacidade da personagem são tão críveis, ao mesmo tempo que é possível visualizar sentimentos completamente opostos como fragilidade e carência e que a fazem duelar consigo constantemente. As cicatrizes são meramente utilizadas de forma a representar o quão despeçada ela está por dentro. Os mesmos pinos que prendem seus ossos são também os responsáveis por manter sua pouca sanidade mental intacta. E a cada instante, está sempre pronta a testar sua coragem e desapego e ir em frente com a ideia de suicídio, imposta de forma tragicômica pela falecida Nina interpretada por Kendrick a qual aparece em sonhos e alucinações.

O tema abordado é válido, porém, mal desenvolvido e exceto pela personagem principal, que possui certa evolução, o restante da película não parece acompanhar esse passo e estagnar.