Share
Review: O legado emocional de “Creed: Nascido Para Lutar”

Review: O legado emocional de “Creed: Nascido Para Lutar”

gradebmaisHá quem consiga separar emoção de razão, especialmente na hora de analisar um filme. Se despir de lembranças, elos importantes, conexões do passado e observar unicamente o que está sendo projetado na tela do cinema como se o antes não existisse. Em alguns filmes é até possível fazer isso, entretanto, não é o caso de Creed: Nascido Para Lutar.

É inviável assistir a esse filme sem levar em consideração o legado emocional que carrega. Sem relembrar da trajetória de Rocky Balboa, mesmo que o caminho aqui esteja sendo percorrido por outra pessoa, mas que só o consegue fazer efetuando os mesmos passos dados pelo garanhão italiano anos antes.

Donnie (Michael B. Jordan) é o oposto do que Rocky foi. É tempestivo, ansioso, marrento, mas a vida o fez assim. Até então ele tem reagido quase que instantaneamente a tudo sem pensar muito, sem avaliar seus passos. Pelo simples fato de que não sabe ser de outro jeito, não tem quem o guie ou que o coloque em seu lugar. Já Rocky está solitário após o falecimento de Paulie, seu fiel amigo e juntos os dois vão encontrar o apoio de que tanto precisam um no outro e é essa dedicação mútua que sustenta o longa. E que certamente não seria a mesma sem a química existente entre os dois atores principais.

creed

Michael B. Jordan aos poucos vem pavimentando seu caminho em Hollywood e apesar de atuar em uma bomba ou outra, tem conseguido deixar esse histórico para trás e mostrar a que veio realmente. O rapaz dedicou-se de forma árdua ao papel e vestiu o manto do legado que tão relutantemente seu personagem queria carregar, além de conseguir transparecer toda a angústia interna que Donnie sentia por não entender a razão de toda sua raiva e frustração. O que leva a possivelmente uma das melhores cenas do filme ao ser questionado se sabe para onde direcionar sua raiva. E o que dizer de Sylvester Stallone que há tantos anos no papel conseguiu transcender o personagem que o consagrou? Passou com maestria do lutador ao tutor e sua performance, sem dar spoilers, foi deveras emocionante e delicada. Não a toa recebeu o Globo de Ouro e é candidato ao Oscar também. Sabemos que o ator não é dado a grandes arroubos de atuação, mas se tem um que ele conseguiu dominar foi o do lutador sentimental Rocky Balboa.

Apesar de tudo, Creed: Nascido Para Lutar está longe de ser um filme perfeito. Há falhas de transição gritantes no início e que voltam a se repetir mais para o final do filme. São cortes bruscos que ameaçam quebrar a ligação do espectador para com a trama, o que felizmente não acontece, pois a mensagem acaba sendo mais forte do que esses erros. E no fim, temos um filme no qual é impossível ignorar o peso dramático, mesmo que a gente queira bastante.

legendagrades1