Share
Sam Mendes dá aula de cinema com “1917”

Sam Mendes dá aula de cinema com “1917”

Sam Mendes usou parte de uma história contada por seu avô, que lutou na 1ª Guerra Mundial, e a transforma em argumento para 1917. Com isso, o diretor utiliza de uma lembrança de infância para dar uma verdadeira aula de cinema ao público. Além do mais, decide usufruir de um recurso considero por muitos complicado: o plano sequência. O mesmo que Iñarritu usou em Birdman (Ou A Inesperada Virtude de Ignorância)

A premissa de 1917 é deveras simples, dois mensageiros precisam cruzar terras inimigas, durante o dia, a fim de entregar uma importante mensagem e prevenir que inúmeros de seus companheiros pereçam em batalha. Logo, cabe a esses dois chegar com vida ao destino. O que obviamente não vai ser fácil, já que estão no meio de uma guerra. Tal escolha contribui e muito para a maneira a qual Mendes opta por construir a narrativa. Pois, ao limitar o desenvolvimento da trama a jornada desses dois personagens, o diretor muda o foco da guerra (macro) para os indivíduos (micro) e, assim, prende a atenção do espectador. Pois tudo o que importa é a vida desses dois jovens.

1917 Sam Mendes

1917 se passa quase que inteiramente em plano sequência. Mesmo que a impressão geral seja essa, existem pequenos cortes, feitos com uma precisão cirúrgica, que ajudam a perpetuar essa noção. Isso implica em cenas arquitetadas de forma milimétrica, diálogos pontuais, uma fotografia singular e acontecimentos intensos. Como resultado, o espectador partilha das mesmas sensações dos personagens. Sente desespero, angústia, medo e desamparo. Sensações intrínsecas àqueles que lutam numa grande guerra.

Se o intuito de Sam Mendes era o de trazer o espectador para dentro da tela, ele conseguiu. Em outras palavras, é impossível desgrudar os olhos de 1917 um segundo sequer. Ao apostar numa narrativa voltada ao micro, Mendes põe a guerra em segundo plano e ressalta a importância daqueles que mesmo não entrando para os anais da história mundial, foram além das suas obrigações, sem esperar recompensa em troca.

O filme concorre a 10 prêmios Oscar incluindo Melhor Filme e Direção.

FICHA TÉCNICA
Direção: Sam Mendes
Roteiro: Sam Mendes, Krysty Wilson-Cairns
Elenco: Dean-Charles Chapman, George MacKay, Daniel Mays, Colin Firth, Pip Carter, Andy Apollo, Paul Tinto, Josef Davies, Billy Postlethwaite, Gabriel Akuwudike, Andrew Scott, Spike Leighton, Robert Maaser, Gerran Howell, Adam Hugill 
Duração: 1h59min 
Estreia: 23 de janeiro