Share
Seria a combinação Marvel e Telltale um sucesso?

Seria a combinação Marvel e Telltale um sucesso?

Não é apenas no cinema que os Guardiões da Galáxia estão chegando com tudo. O mês de Abril também foi marcado com a estreia da equipe em praticamente todas as plataformas de jogos da atualidade.

O jogo Guardians of the Galaxy: The Telltale Series foi lançado dia 18 de abril para PC, PS4, Xbox One, IOS e Android. Esse é o primeiro título fruto da parceria entre a Telltale Games e a Marvel que foi anunciado ano passado e deixou muitos fãs curiosos para saber qual seria o resultado.

O primeiro episódio mostra que a Telltale conseguiu capturar bem o espírito do filme, trazendo para o jogo o humor, a ação e a trilha sonora inspirada nos anos 70/80 que todos amamos tanto no filme. No entanto, o gameplay já tradicional da empresa começa a mostrar sinais de que está na hora de uma mudança radical.

PERSONAGENS

Diferente do jogo Game of Thrones onde alguns dos personagens foram dublados pelos atores da série e tiveram sua aparência transportada para o jogo, vemos em Guardiões da Galáxia que a empresa optou por mudar o design do rosto dos personagens, talvez por ser muito caro bancar atores como Chris Pratt, Bradley Cooper, Zoë Saldana e Josh Brolin.

Peter Quill é o que tem a aparência mais diferente de todos na equipe, talvez por ser o único humano no grupo, seja mais nítida a mudança. No entanto, a personalidade dele continua a mesma, com suas sacadas espertinhas, referências a cultura pop e o estilo canastrão.

Rocket Raccon foi o que mais impressionou. No jogo, quem dá voz ao personagem é ninguém menos que Nolan North, isso mesmo o Nathan Drake da franquia Uncharted. Ele conseguiu interpretar com perfeição o guaxinim rabugento e me fez achar durante todo o jogo que estava ouvindo o Bradley Cooper dublando o personagem.

Gamora, Drax e Groot também estão com suas personalidades devidamente mantidas, a filha de Thanos por ser mais fechada e reservada, não se sobressai muito nesse episódio aparecendo mais em momentos onde há algum tipo de combate assim como o Drax, todavia o já conhecido modo como o personagem leva tudo de forma literal também marcou presença e me fez dar boas gargalhadas.

Por fim, o Groot continua sendo o Groot e diferente dos filmes onde temos uma versão mirim do personagem, aqui no jogo ele continua um adulto. Resumindo, o traço estilizado ajuda a mitigar a estranheza causada pela aparência diferente dos personagens, mas como suas personalidades foram mantidas, não demora muito até você passar a amá-los novamente.

HISTÓRIA

Esse é o ponto que talvez vai mais confundir as pessoas. O jogo em muitos momentos se assemelha ao filme, tanto nos personagens quanto em alguns pontos da história, no entanto ele não é cânone ao universo cinematográfico da Marvel, ou seja, não está preso ao que foi mostrado nos filmes. De um lado isso é um pouco decepcionante, porque a ideia de um grande universo que engloba diferentes tipos de mídia é algo que todo fã de Marvel e DC sonha, por outro lado tem suas vantagens porque já vimos em Agents of S.H.I.E.L.D. como esse tipo de restrição pode ser prejudicial para a trama, então é algo positivo no final os desenvolvedores terem liberdade para criar uma história própria.

Podemos notar isso com a presença de Thanos nesse episódio, algo que os filmes estão guardando a muito tempo e que aqui o coloca em conflito direto com os guardiões, rendendo muitos momentos inesperados.

Não há como discorrer muito sobre a história desse episódio sem dar spoilers, e como esse é o ponto forte de qualquer jogo da Telltale, basta dizer que segue rumos interessantes e que instigam o jogador a querer saber mais sobre o que está acontecendo.

TRILHA SONORA

Assim como no filme, o jogo está cheio de músicas da década de 70 e 80. Temos como tema a música Livin´ Thing da banda Eletric Light Orchestra e outras como Why Can´t I Touch It da banda Buzzcocks e You Make My Dreams de Daryl Hall & John Oates.

Algumas pessoas ficaram irritadas nos fóruns por algumas músicas parecerem covers das originais, mas mesmo que este seja o caso é seguro dizer que até o fim do quinto episódio teremos mais uma Awesome Mixtape nas mãos, que por acaso no jogo é chamada de Rad Mixtape.

GAMEPLAY

Se você já jogou qualquer jogo da Telltale sabe o que esperar em termos de jogabilidade. Foram feitas algumas mudanças para se adequar aos personagens, como por exemplo, há alguns segmentos onde é possível utilizar as jetboots de Peter Quill mas no geral é mais do mesmo. Há poucos momentos em que o jogador tem liberdade para explorar o cenário, e o fato de ainda ter que utilizar um cursor para apontar lugares de interesse incomoda mais nesse título do que em outros, especialmente nos momentos de combate onde nem mesmo a mira das armas é controlada pelo jogador, restando apenas o apertar do gatilho o que acaba com a toda a emoção do momento.

Após o lançamento de Life is Strange, esperava-se que a Telltale fosse remodelar seu estilo de gameplay ao ver o belo trabalho que a Dontnod fez, mas esse não é o caso e após cada novo lançamento da empresa a jogabilidade se torna mais cansativa.

Além disso, nesse jogo as já tradicionais escolhas que afetam a história são mínimas, até mesmo errar um quick time event não altera em nada o andamento da cena, assim como no jogo Batman: The Telltale Series. E essa é uma reclamação antiga dos fãs, mas talvez esse seja o jogo mais linear deles até hoje. Teremos que esperar os próximos episódios para saber se isso vai mudar.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A experiência de poder viver as aventuras de Star-Lord e companhia é muito agradável e cheia de momentos engraçados que com certeza farão com que o jogador sinta-se como parte da equipe. Apesar dos problemas de gameplay e outros inumerados aqui, há potencial para tornar Guardians of the Galaxy: The Telltale Series um grande jogo devido a força do carisma de seus personagens.

Serviço:
Para PC: Steam Store por R$45,99
PSN BR: R$ 61,50 (season pass) e R$15,50 o primeiro episódio
Xbox One live: R$62,00 (season pass) e R$19,00 o primeiro episódio
Google Play: R$ 16,99 o primeiro episódio
Apple Store: $4,99 dólares o primeiro episódio