Share
Time’s Up : O movimento contra o assédio criado pelas atrizes de Hollywood

Time’s Up : O movimento contra o assédio criado pelas atrizes de Hollywood

Desde que os escândalos envolvendo o produtor Harvey Weinstein vieram à tona, as pessoas não mais se calaram sobre o assédio. Em especial as mulheres que o sofreram.

O assunto dominou todas as pautas das manchetes internacionais. E a cada nova informação e desdobramento, era impossível não se questionar as razões do porquê isso acontecer. Por que as mulheres continuavam sendo vítimas de abuso de poder e locais de trabalhos inadequados? Sendo denigridas e humilhadas a fim de conseguir um trabalho, ser escalada para um projeto importante, receber outras propostas… Como isso continuava acontecendo dentro de uma indústria tão visível?

TimesUpLogo_Large.png

Tal qual a fúria de um tsunami, as denúncias chegavam aos borbotões e oriundas de vários lugares. Diversos homens foram afastados de seus trabalhos. Nomes conhecidos. Importantes. Levando outros colegas a se questionar – finalmente – sobre o que as mulheres passavam nos sets de filmagens. Levando até mesmo outras mulheres a se manifestar sobre quando haviam sido silenciadas.

Mas, só denunciar não parecia o bastante. É preciso fazer mais. Foi pensando nisso que algumas atrizes de Hollywood como Reese Whiterspoon, Brie Larson, Kerry Washington, Eva Longoria, Tracee Ellis Ross, Emma Stone, a diretora Ava DuVernay, Shonda Rhimes, entre outras, criaram o movimento Time’s Up.

Time’s Up significa que o relógio parou. Chega de complacência com assédio sexual, abuso e ambientes de trabalho nada seguros para as mulheres. E elas e outras mulheres, mais de 300, escreveram uma carta em solidariedade a milhares de mulheres que sofreram abuso sexual. Seja em Hollywood ou em outro lugar.

LetterOfSolidarity.png

Em suma elas dizem que vão usar de seu lugar privilegiado de fala para modificar a situação. Para se fazerem ouvir. Que as histórias certas sejam contadas e que assim Hollywood torne-se um lugar melhor para trabalhar. E, quem sabe, não consigam equilibrar um pouco as coisas na balança que costuma pender para o lado dos homens.

Por isso, hoje durante o Globo de Ouro, atores e atrizes vão vestir preto como uma forma de manifestação e apoio a esse movimento. Pins também vão ser distribuídos. Além disso, há uma campanha para arrecadar fundos que vão ser destinados à vítimas de abuso sexual para suporte jurídico, médico e psicológico. Até o momento conseguiram mais de U$15 milhões de dólares em doações.

No more silence. No more waiting. No more tolerance for discrimination, harassment or abuse.

E o Time’s Up não vai parar após a premiação. Não. Vai continuar firme e forte porque isso é apenas o início de uma grande e bem-vinda mudança. Feliz 2018.