Share
“You” é o thriller psicológico que a Netflix precisava

“You” é o thriller psicológico que a Netflix precisava

Não há dúvidas de que 2018 foi um ano vitorioso para a Netflix. O serviço de streaming mais popular do mundo acertou em cheio no lançamento de O Mundo Sombrio de Sabrina e A Maldição da Residência Hill. Mas escolheu deixar a maior surpresa para o final. A primeira temporada de You, que chegou à Netflix na última semana de dezembro, se destaca em meio às estreias de 2018.

A adaptação do livro homônimo de Caroline Kepnes estreou em setembro no canal Lifetime. Mas só caiu nas graças do público após ter sido comprada e distribuída internacionalmente pela Netflix. Os 10 episódios orquestrados pelas mãos responsáveis de Greg Berlanti e Sera Gamble são suficientes para que nem mesmo os mais distraídos consigam desgrudar da tela.

Logo nos primeiros momentos, a série apresenta o encontro dos dois personagens centrais. Beck (Elizabeth Lail), uma estudante de mestrado que sonha em se tornar uma escritora de sucesso. Ela entra na livraria em que Joe (Penn Badgley) trabalha. Saber o nome completo de Beck foi só o que Joe precisou para encontrar as contas dela nas redes sociais, descobrir seus gostos e monitorar seus passos. O que poderia ser um encontro breve se torna um relacionamento cujas situações são arquitetadas por Joe.

A partir daí, imergimos no universo dos personagens, que são muito bem construídos na trama. Tanto Badgley (Gossip Girl) quando Lail (Once Upon a Time) entregam ótimas interpretações e abraçam seus papéis com toda a complexidade exigida. Há dois personagens secundários que merecem ser lembrados não só pelo desempenho dos atores, mas também por serem fundamentais na narrativa.

O primeiro deles é Paco, interpretado por (Luca Padovan). O menino mora ao lado do protagonista e convive com a mãe que é espancada diariamente pelo padrasto. Já Peach, interpretada por Shay Mitchell (Pretty Little Liars), é a melhor amiga de Beck. Os dois são essenciais na construção humana de Joe. Paco é par do protagonista em uma relação quase paternal. Do outro lado Peach é retratada como a figura mais antipática da série, o que, no código moral doentio de Joe, justifica a maioria das suas ações.

You passaria despercebida se optasse por um caminho mais fácil. Todavia, o roteiro assume os riscos de posicionar a audiência num lugar delicado e incômodo. Aí está seu trunfo. Como o livro é narrado em primeira pessoa por Joe, a série utiliza de recursos eficazes para que a trama corra sob a ótica dele. Por isso, You recorre à câmera subjetiva e à narração off para que espectador veja a história da perspectiva do protagonista. Daí a posição de desconforto em que a série corajosamente nos coloca.

Em poucos minutos, já se pode atestar que Joe é obsessivo, tem caráter duvidoso e parece ter algum transtorno psicológico. Ao fim do episódio piloto isso se confirma e se agrava diante do primeiro ato de violência que o vemos cometer. Optar por apresentar essas características no primeiro episódio é fundamental para que a série seja honesta e responsável com quem está assistindo. Não resta dúvidas de que a história se desenrolará sob a perspectiva do algoz. O público acessa, portanto, eventos que, na maioria das vezes, passaram pelo filtro de pensamento e interferências discursivas de Joe.

A construção impecável de personagens somada ao diálogo inteligente e o ritmo frenético são os fatores de sucesso da série estreante. Um protagonista humano é a chave para que You pudesse abordar temas urgentes como machismo, violência e obsessão sem cair nos lugares comuns do maniqueísmo. Nos tempos em que o testemunho de mulheres vítimas de violência e abuso é descreditado, You assume riscos, aposta numa narrativa complexa e sai bem-sucedida.

O homem violento, possessivo e obcecado por Beck é um humano nos mínimos detalhes. Não espere acompanhar a trajetória de um psicopata inteligente e impecável. Joe é um vilão desleixado, inconsequente e, muitas vezes, estúpido. Ele não é inatingível. Isso faz com que o público se sinta conectado o suficiente com Joe para entender a ameaça que ele representa e compreender que o perigo não está distante da vida real.

A série termina com um gancho intrigante e, mesmo com um roteiro fechado, deixa muitas pontas soltas para serem amarradas na segunda temporada que já foi encomendada pela Netflix.

Ficha Técnica
Criadores: Greg Berlanti, Sera Gamble
Roteiro: Greg Berlanti, Sera Gamble, Caroline Kepnes
Elenco: Penn Badgley, Elizabeth Leil, Shay Mitchell, Luca Padovan, Zach Cherry, Ambyr Childers, Daniel Cosgrove, Victoria Cartagena, Nicole Kang, Kathryn Gallager, John Stamos
Duração: 10 episódios