A sutileza em Ataque dos Cães é crucial

Ataque de Cães aborda a homossexualidade e outros assuntos mais pesados como violência doméstica e alcoolismo utilizando de uma sutileza que é crucial ao filme. Tudo isso se mistura a essa paisagem rural e isolada de Montana, nos Estados Unidos, no meio dos anos de 1920. A princípio, o que parece ser um desentendimento entre irmãos, após o mais novo casar, se transforma em um jogo de poder e controle.

O longa, dirigido por Jane Campion e que concorre a 12 categorias no Oscar, é baseado no livro de mesmo nome lançado em 1967 e escrito por Thomas Savage. É dele que a diretora retira a história de Phil (Cumberbatch) e George (Plemons), dois irmãos muito diferentes um do outro. De um lado, temos George, mais quieto, esforçado, gentil e submisso. Do outro, temos Phil, mais fechado, imponente, sistemático e arrogante. Por muito tempo, George foi leal e acatou todas as manias e vontades do irmão, quem gerencia a fazenda em que moram.

Entretanto, com a chegada de Rose (Dunst) e seu filho Peter (McPhee) à família, a relação entre os dois muda e Phil passa a rejeitar a presença da cunhada, tratando-a com desdém e indiferença e dando mais trabalho a George de forma que ele fique cada vez mais longe de casa. Dessa maneira, Rose acaba sucumbindo ao álcool por não suportar mais viver debaixo do mesmo teto que Phil. Porém, quando Peter chega para passar uma temporada na fazenda, essas relações e suas consequências vão vir à tona.

Ainda que o cenário de Ataque dos Cães seja mais rural e remeta a um faroeste, a diretora usa isso mais como pano de fundo para construir uma trama cheia de sutilezas e subjetividades que vão desde o tabu – na época – da homossexualidade, até a violência doméstica e o alcoolismo.

Um baita elenco

No entanto, essas sutilezas só funcionam graças a soma de um roteiro bem elaborado, uma direção competente e é claro, um elenco muito bem escolhido. Benedict Cumberbatch, Jesse Plemons, Kirsten Dunst e Kodi Smit-McPhee ditam o tom da história através das suas atuações. Sendo que muitas vezes, dada a construção da cena, não tinha nem a necessidade de diálogo. Apenas o cenário, alguns objetos e os próprios atores serviam para contar a história.

Por isso, Campion conseguiu explorar bem as relações entre esses quatro personagens. A frágil Rose que vê no casamento com George a chance de uma nova vida. Mas, é impedida por Phil que deseja manter a dominancia na sua relação com o irmão. E, por fim, mas não menos importante, temos o introspectivo Peter. Um jovem adulto, muito inteligente, que consegue transpor a barreira com Phil e se aproximar mais do fazendeiro, algo que desagrada sua mãe. O que Rose não sabe, é que o filho fará de tudo para protegê-la.

Esse quarteto entrega atuações pontuais e marcantes com destaque para Benedict Cumberbatch, pois foi um papel o qual ele pode apresentar uma outra faceta como ator e não a toa, está pontando como favorito à estatueta do Oscar.

Conclusão

Ataque dos Cães é mais um trabalho sensacional de Jane Campion. Ainda que o longa tenha um ritmo mais lento, devido a fatores como ambientação e época, isso contribui para que seja possível contar uma história cheia de camadas, as quais são necessárias para moldar a evolução e cerne de cada personagem. É a partir dessas cenas mais introspectivas que a diretora foi capaz de mostrar ao público quais as consequências dessa relação familiar e o que cada um deles tinha a esconder ou preservar.

Assista agora mesmo na Netflix!

FICHA TÉCNICA
Direção: Jane Campion
Roteiro: Jane Campion 
Elenco: Benedict Cumberbatch, Kirsten Dunst, Jesse Plemons, Kodi Smit-McPhee, Geneviève Lemon, Kenneth Radley, Sean Keenan, George Mason, Thomasin Mckenzie 
Duração: 2h06min

Melissa Andrade

Jornalista, Crítica de Cinema há mais de 10 anos, Podcaster, extremamente curiosa, com incontáveis pequenos conhecimentos em diversas áreas e Marvete com orgulho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *