O Batman de Matt Reeves é diferente

Ao longo dos seus 83 anos de existência, o Batman já estrelou 11 filmes, incluindo esse mais recente com direção de Matt Reeves. Contudo, sua carreira nas telonas ficou muito marcada pela trama padrão do menino órfão que após um trauma decide se tornar um vigilante. Quando, a bem da verdade, o Batman é mais do que isso e possui características não exploradas. Existem histórias e linhas temporais ainda não vistas no cinema, porém, um dos traços mais marcantes do homem morcego sempre ficou em segundo plano: o lado detetive. E é nele que o diretor aposta para tornar a sua versão do Batman diferente.

Uma vez que um brutal assassinato ocorre logo nos primeiros minutos de filme, já vemos o Batman detetive em ação. Ele é chamado por Jim Gordon (Jeffrey Wright), ainda como detetive, para ajudar na cena do crime, mesmo contrariando ordens do então comissário. Acontece que o criminoso deixou para trás algumas pistas e uma delas está endereçada ao homem morcego. É a partir desse envelope que dá-se início a caçada por essa figura misteriosa que colocou um alvo na cabeça de alguns nomes importantes de Gotham. Com auxílio de pouquíssima tecnologia e fazendo muito trabalho de campo, o homem morcego prefere sujar as mãos em suas investigações. Afinal, esse é um Batman no começo de carreira, contando apenas com suas habilidades de combate e avesso a identidade de Bruce Wayne.

Mais Batman e menos Bruce

Por isso, em boa parte do filme, temos o herói ainda nos trajes do morcego com ou sem a máscara. A construção que Matt Reeves usa aqui é muito pautada em Ego, vencedor do prêmio Eisner, escrito e ilustrado por Darwyn Cooke. Tal qual nas páginas do quadrinho, Bruce está com dificuldades de lidar com sua vida mundana. Ele prefere muito mais a noite, a vida de vigilante do que a do herdeiro de Thomas e Marta Wayne. Delega a Alfred (Andy Serkis) as funções de controle de empresa e demais questões burocráticas, enquanto perambula por Gotham atrás de bandidos. Talvez essa tenha sido uma das escolhas mais acertadas de Matt Reeves para o filme.

No instante que opta por ter mais Batman e menos Bruce, dá a chance de Pattinson não apenas se ambientar mais no papel, como também do espectador compreender melhor essa nova versão do Batman. Pois, fica nítido que o Bruce se sente mais confortável vestido como homem morcego do que em sua própria pele. O que aliás, provoca diálogos primorosos com Alfred.

Para o jovem herdeiro, ele pode ser mais útil à cidade como Batman do que sendo Bruce Wayne. Algo que a trama vai desconstruir aos poucos. Em dado momento, ele entende que é preciso haver um equilíbrio entre as coisas e que muito de um lado e nada de outro pode não ser uma boa escolha.

“Eu sou a vingança”

Tendo em vista que esse Bruce ainda está construindo sua identidade como Batman, ele parece bem mais confortável em descobrir seus limites e aliados. Principalmente, porque essa versão do herói é mais pé no chão, não fica apenas no alto dos prédios observando de longe. Ele se coloca a disposição da força policial, se faz presente nas cenas de crime, para os cidadões e contribui nas investigações, em especial por conta da sua ligação com Jim Gordon. Tais escolhas acabam por ajudá-lo a desmistificar boatos a seu respeito, solidificar outros e até mesmo limpar a sua imagem perante os habitantes da cidade de Gotham.

O que desperta o interesse de perigosos nomes como Falcone (John Turtyurro), Pinguim (Colin Farrell) e o Charada (Paul Dano). Figuras muito conhecidas dentro do universo do morcego, assim como Selina Kyle (Zoë Kravitz).

Ainda que não tenhamos visto tanto sobre o passado da Selina, ficou claro que a gatuna causou um certo impacto ao cruzar o caminho do Batman e, além disso, foi também essencial para algumas tomadas importantes de decisão na trajetória do morcego.

Conclusão

Matt Reeves acerta em cheio ao trazer para as telonas uma versão diferente do Batman, mais pé no chão, detetive, explorador e menos Bruce Wayne. Sem dúvida, essas escolhas, bem como uma fotografia impecável de Greig Fraser, a trilha sonora de Michael Giacchino e o elenco estelar, fazem com que esse seja um dos melhores filmes estrelados pelo homem morcego.

Assista Batman nos cinemas!

FICHA TÉCNICA
Direção: Matt Reeves
Roteiro: Matt Reeves, Peter Craig 
Elenco: Robert Pattinson, Andy Serkis, Zoë Kravitz, Jeffrey Wright, Colin Farrell, Paul Dano, John Turturro, Peter Sarsgaard, Jayme Lawson, Gil Perez-Abraham, Peter McDonald, Con O'Neill, Alex Ferns, Rupert Penry-Jones, Kosha Engler, Archie Barnes, Janine Harouni, Barry Keoghan
Duração: 2h56min

 

Melissa Andrade

Jornalista, Crítica de Cinema há mais de 10 anos, Podcaster, extremamente curiosa, com incontáveis pequenos conhecimentos em diversas áreas e Marvete com orgulho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *