Review: “No Andar de Baixo” é subjetivo demais

gradedNão há mal nenhum em um filme preservar seus mistérios e revela-los na hora certa. Mas, aí que mora o problemas em alguns títulos, saber quando e como fazer isso. E é onde reside os erros de No Andar de Baixo.

Dirigido por David Farr o longa narra a história de dois casais de vizinhos que estão grávidos, cada esposa com semanas de diferença na gestação. Enquanto um sofreu anos para engravidar, querendo muito, o outro é o oposto, tendo preferido esperar anos e ter a certeza de que queriam mesmo ter uma criança. Dilema de muitos casais atualmente, especialmente aqueles com empregos estáveis e que exigem certa dedicação. O que se aplica perfeitamente ao casal do andar de cima, ambos com empregos que amam e que assim preferiram curtir mais a vida a dois. Já o casal de baixo, ele bem mais velho, com uma carreira estabelecida e condição financeira estável queria filhos para ontem, e ela, sem uma perspectiva saudável de carreira pulou nessa oportunidade.

ones_below2

No Andar de Baixo tem todo um trabalho de roteiro para enumerar sutilmente as diferenças gritantes entre os casais desde o início quando eles se cruzam sem saber e que fica mais evidente a cada encontro. Todavia, toda essa interação é subjetiva. Não há diálogos extensos, com marcações interessantes sobre os personagens e isso piora após o incidente que acaba rompendo a relação entre os vizinhos.

Tudo passa a ser interpretado através de olhares, gestos, meias palavras, frases soltas pelo ar e que seguem até o terceiro ato do filme quando tudo acontece de uma só vez. O espectador gosta de sentir que é parte do filme, que sabe de algo que os protagonistas não sabem, de esperar por um desfecho imaginando como vai ser a reação dos personagens. Optar por deixar o espectador no escuro é um recurso difícil de controlar e que pode dar muito errado, como nesse caso.

ones_below1

David Farr preferiu montar sua história quase que unicamente com imagens, poucos diálogos e que acabam por cansar o espectador que fica imaginando o que mais pode acontecer ou se é que algo vai acontecer. Descreditar a personagem da Clémence Poésy que lutou contra a figura da mãe o filme inteiro, afirmando não a querer por perto e que isso influenciou na sua decisão de ter filho foi um tiro no pé. Ainda que as circunstâncias possam tê-la fragilizado, ela pediu ajuda, na verdade, implorou para que se mudassem e o marido simplesmente achou que ela estava vendo coisas, muito cansada para ter noção do que era real ou não. E, a partir daí, No Andar de Baixo perde sua pouca credibilidade e torna-se uma tentativa barata de emular outros diretores famosos como Roman Polanski, mas ficou na tentativa mesmo. 

Continua valendo mais a pena assistir ao clássico A Mão Que Balança o Berço, que mesmo sendo um título datado, tem mais suspense do que esse filme que se perde dentro do próprio conceito com tanta subjetividade.

legendagrades1

Melissa Andrade

Jornalista, Crítica de Cinema há mais de 10 anos, Podcaster, extremamente curiosa, com incontáveis pequenos conhecimentos em diversas áreas e Marvete com orgulho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *