Review: “O Lar das Crianças Peculiares” cumpre bem o papel de livre adaptação

gradecmaisQuem conhece o trabalho do diretor Tim Burton vai conseguir enxergar com clareza o que o atraiu no universo criado por Ransom Riggs em sua trilogia literária. Todavia, o diretor resolveu fazer seu próprio filme, como era esperado, e se distanciou bastante do livro o qual originou a trama.

A resenha do livro já foi publicada aqui e o filme segue parcialmente a trama ao acompanhar o jovem Jacob (Asa Butterfield) e sua luta para lidar com o falecimento brusco do avô (Terence Stamp), a quem era muito apegado. Para colocar um ponto final nessa angústia, decide ir até a ilha de Cairnholm, local de origem de todas as histórias que seu avô costumava lhe contar quando criança para saber se aquelas pessoas de quem tanto ouviu falar e que possuíam poderes eram reais, especialmente a tão famosa Srta. Peregrine (Eva Green). E não tarda para que elas o encontram, e a partir daí, o filme segue uma linha narrativa totalmente diferente do livro.

peculiar6

Burton optou por transformar personagens e a história para que ganhasse uma fluidez melhor, o que não ocorre no livro, além do mais, mudou o tom antes sombrio para um mais descontraído, ainda que possua momentos tensos. Ele também soube tirar o foco do personagem do Jacob e dividiu-o, quase que igualmente, entre os demais dando-os tempo suficiente de tela para que cativassem o espectador. Dessa forma foi possível trabalhar bem cada um deles, aumentando até mesmo suas habilidades ou invertendo-as como no caso das personagens Emma (Ella Purnell) e Olive (Lauren McCrostie). Apesar de conseguir manipular o ar com bastante facilidade, o mesmo não ocorre no livro, até porque é a Emma quem controla o fogo e é Olive quem usa os sapatos de chumbo. O motivo pelo qual o diretor decidiu inverter as personagens, é um mistério.

capapeculiar

Outra mudança positiva foi o acréscimo de cenas de ação, o que resultou no encolhimento do grupo de vilões, mas tal escolha faz sentido já que não é do feitio de Burton que seus filmes tenham sequências. Logo, com um grupo mais conciso de antagonistas, ficou fácil conduzir a trama para que tivesse um começo, meio e fim sem pontas soltas.

No quesito atuações não há grandes destaques, todos saíram-se bem em seus papéis, Asa parecia meio fora do contexto algumas vezes e Samuel L. Jackson deu seu melhor, como sempre. Eva Green estava um tanto quanto caricata e não sei de quem exatamente foi essa escolha, provável que do próprio Tim Burton. E o que dizer de Judi Dench que mal respirou em cena e sumiu rapidamente? Poderiam ter escolhido outra atriz para o papel ao invés de desperdiça-la.

peculiar5

O Lar das Crianças Peculiares pode ter tido origem em um famoso e popular livro, mas ganhou vida própria nas mãos do tão ou mais popular quanto Tim Burton.

legendagrades1

Melissa Andrade

Jornalista, Crítica de Cinema há mais de 10 anos, Podcaster, extremamente curiosa, com incontáveis pequenos conhecimentos em diversas áreas e Marvete com orgulho!

One thought on “Review: “O Lar das Crianças Peculiares” cumpre bem o papel de livre adaptação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *